Astronomia
Tecnologia e Ciência Missão da Nasa captura momento em que buraco negro engole estrela

Missão da Nasa captura momento em que buraco negro engole estrela

Satélite TESS registrou um fenômeno tão raro que ocorre apenas uma vez a cada intervalo de 10 mil a 100 mil anos na galáxia

Satélite da Nasa registra momento que buraco negro

Satélite da Nasa captura momento exato que um buraco negro destrói um estrela

Satélite da Nasa captura momento exato que um buraco negro destrói um estrela

Nasa

O satélite TESS, da Nasa, agência espacial norte-americana, foi lançado em abril de 2018 e mesmo com tão pouco tempo no espaço já fez grandes contribuições para a ciência. O equipamento projetado para encontrar planetas fora do Sistema Solar, os exoplanetas, conseguiu registrar o raro momento de um buraco negro engolindo uma estrela.

Os cientistas chamam episódios como esse de "perturbação de maré", que ocorre quando uma estrela ao se aproximar demais de um buraco negro é despedaçada em uma corrente de gás.

Leia também: Nasa divulga uma incrível animação de como seria um buraco negro

A ASAS-SN uma rede de 20 telescópios robotizados instalados na Universidade de Ohio, nos EUA, observou o evento no dia 29 de janeiro deste ano. Por coincidência, o TESS, que está na órbita da Terra, estava monitorando a mesma área do espaço e também registrou o ocorrido.

As observações também permitiram notar que sucedeu um resfriamento da estrela durante o processo de destruição, a temperatura foi de 40 mil para 20 mil graus Celsius, em poucos dias.

A estrela destruída, nomeada de ASASSN-19bt, pesava cerca de 6 milhões de vezes a massa do Sol, que corresponde a 1,989 × 10^30 kg e está localizada a 375 milhões de anos-luz da constelação de Volans, é uma constelação no hemisfério celestial Sul. A estrela destruída pode ter o tamanho equivalente ao Sol do planeta Terra.

"Para a TESS observar o ASASSN-19bt tão cedo em sua missão e na zona de visualização contínua onde poderíamos assisti-lo por tanto tempo, é realmente extraordinário", disse Padi Boyd, cientista do projeto TESS da Goddard.

Episódios de uma estrela sendo destruída por um buraco negro são considerados raros, em média, ocorrem uma vez a cada intervalo de 10 mil a 100 mil anos em uma galáxia do tamanha da Via Láctea.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques