Tecnologia e Ciência Organização de jornalistas processa Facebook por discurso contra mídia

Organização de jornalistas processa Facebook por discurso contra mídia

ONG Repórter Sem Fronteira também acusa rede social de proliferar informações falsas relacionadas à covid-19

Rede social é acusada de discurso de ódio contra mídia

Rede social é acusada de discurso de ódio contra mídia

REUTERS/Dado Ruvic

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) afirmou nesta terça-feira (23) que abriu um processo contra o Facebook, na França, citando a proliferação de discurso de ódio contra a mídia e informações falsas sobre covid-19.

Na mais recente de uma série de batalhas que governos e ativistas travam com a empresa no mundo todo, o órgão de defesa do jornalismo citou uma grande quantidade de desinformação sobre coronavírus no Facebook, incluindo teorias de conspiração sobre vacinas.

Leia mais: Príncipe Harry será executivo em startup no Vale do Silício

A plataforma de mídia social também exibiu posts com ameaças à revista satírica francesa Charlie Hebdo, ao programa de TV Quotidien e ao jornal regional L'Union, disse a RSF.

"Usando análises de especialistas, depoimentos pessoais e declarações de ex-funcionários do Facebook, o processo mostra que o Facebook permite que a desinformação e o discurso de ódio floresçam... ao contrário das alegações feitas em seus termos de serviço e por meio de seus anúncios", afirmou a organização.

O processo foi enviado à promotoria pública de Paris na segunda-feira (22).

O Facebook na França se recusou a comentar o processo, mas disse que tem tolerância zero para conteúdo nocivo e está investindo para combater o discurso de ódio e a desinformação.

Leia mais: Helicóptero da Nasa se prepara para seu primeiro voo em Marte

A RSF disse que uma decisão judicial contra o Facebook na França tem potencial impacto global e que está considerando abrir processos semelhantes em outros países.

A organização acrescentou que o processo diz respeito ao Facebook França e ao Facebook Irlanda e se baseia no código do consumidor francês, segundo o qual empresas que usam práticas comerciais enganosas podem receber multas de até 10% do volume de negócios anual.

Últimas