Tecnologia e Ciência Pesquisadores criam robô capaz de aprender pela observação

Pesquisadores criam robô capaz de aprender pela observação

Teste usou inteligência artificial para fazer máquina 'entender' padrões de movimentos e prever a próxima ação

Capacidade pode ser entendida como uma forma primitiva de empatia

Capacidade pode ser entendida como uma forma primitiva de empatia

Freepik

Pesquisadores da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, desenvolveram um robô que usa a inteligência artificial para aprender pela observação. O estudo foi publicado em janeiro deste ano na revista científica Scientific Reports.

Essa capacide de adquirir novas habilidades apenas ao acompanhar algo ser feito é considerada uma capacidade herdada de alguns de nossos ancentrais evolucionários, que desenvolveram a capacidade de prever as ações dos outros pela visualização em suas mentes.

Para testar essa hipótese em máquinas, os cientistas programaram um robô para se mover continuamente em direção a um dos dois pontos verdes em seu campo visual, sempre optando pelo que considerasse ser o mais próximo dos dois. Às vezes, os pesquisadores impediam o robô de ver o ponto verde mais próximo, ocultando-o com um bloco vermelho, o que o levava a se mover ao ponto mais distante.

Um segundo robô, então, passou mais de duas horas observando o primeiro concluir essa tarefa. Como resultado, ele eventualmente aprendeu exatamente o que estava acontecendo e desenvolveu a capacidade de prever o que o primeiro robô faria com 98,45% de precisão.

"Supomos que talvez nossos ancestrais primatas também tenham aprendido a processar uma forma de predição de comportamento de uma forma puramente visual, muito antes de aprenderem a articular visões mentais internas em linguagem", escrevem os autores no artigo.

"Nossas descobertas começam a demonstrar como os robôs podem ver o mundo da perspectiva de outro robô”, disse em comunicado o autor do estudo Boyuan Chen. "A capacidade do observador de se colocar no lugar de seu parceiro, por assim dizer, e compreender, sem ser guiado, se seu parceiro pode ou não ver o círculo verde de seu ponto de vista, é talvez uma forma primitiva de empatia."

*Estagiária do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas