Tecnologia e Ciência Start up brasileira, "You Tube dos Livros" chega a 200 mil membros em todo o mundo

Start up brasileira, "You Tube dos Livros" chega a 200 mil membros em todo o mundo

Número de perfis quintuplicou em seis meses

Start up brasileira, "You Tube dos Livros" chega a 200 mil membros em todo o mundo

Como uma plataforma global, a Widbook ganhou notoriedade por conta de uma audiência sem fronteiras, como conta o CEO da start up, Flavio Aguiar

Como uma plataforma global, a Widbook ganhou notoriedade por conta de uma audiência sem fronteiras, como conta o CEO da start up, Flavio Aguiar

Divulgação

Apelidada de "You Tube dos Livros" pela imprensa norte-americana, a Widbook, comunidade digital de escritores e leitores criada por empreendedores brasileiros ultrapassou a marca dos 200 mil membros - tanto brasileiros quanto gringos - em janeiro.

A ideia dos programadores Flávio Aguiar, André Campelo e Joseph Bregeiro veio da necessidade de um professor da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) de saber as questões e observações de alunos que liam seus textos.

A rede foi criada há um ano e meio, mas o número de membros cresceu mais nos últimos seis meses, período em que praticamente quintuplicou, segundo a companhia.  

Como uma plataforma global, a Widbook ganhou notoriedade por conta de uma audiência sem fronteiras, como conta o CEO da start up, Flavio Aguiar.

— Escritores e leitores encontram em nossa comunidade a possibilidade de ter suas histórias contadas e lidas por uma audiência de todos os continentes. 

Startup apelidada de "YouTube dos livros" lança ebook sobre o futuro do mercado editorial  

Sem dar detalhes, o executivo promete novidades em 2014, e  se diz contente com 2013.  

— Estamos felizes com o resultado conquistado.   

No ano passado, após sua segunda rodada de investimentos, a start up lançou seu aplicativo tanto para o sistema Android quanto iOS.  

Como funciona  

A Widbook funciona como uma rede social em que os amantes de livros têm que ser convidados a participar. Como em outras redes, eles criam uma conta e em seguida já podem socializar, como conta o cofundador Joseph Bregeiro.  

— O usuário cria uma estante com seu perfil literário, mas o Widbook não é só para escritores. A pessoa pode publicar seu projeto. Outra vem e faz uma observação. O autor inicial pode concordar ou não. Se ele aceitar, o nome do segundo usuário já entra como coautor. A obra final pode ser criação de bastante gente.  

A Widbook permite também que o usuário siga seus inspiradores ou autores favoritos, "curta" obras e convide membros para escrever em parceria. Qualquer membro pode compartilhar conteúdos, criticar, revisar ou editar – tudo depende da aprovação ou não da intervenção no texto.  

— Além de unir quem é bom em iniciar um projeto e depois não consegue tocar com um que sabe continuar, a plataforma é ótima para quem quiser ter uma publicação em outro idioma. Por ser global, a Widbook permite que o falante de outro idioma observe algum deslize em sua língua na obra traduzida.