Ciência

Tecnologia e Ciência Tubarões que brilham no escuro são fotografados pela primeira vez

Tubarões que brilham no escuro são fotografados pela primeira vez

Peixes foram localizados na costa Nova Zelândia e são os maiores animais vertebrados luminosos conhecidos pela ciência

Esses tubarões podem medir até 2 metros de comprimento

Esses tubarões podem medir até 2 metros de comprimento

Divulgação/Frontiers in Marine

Cientistas conseguiram tirar as primeiras fotos de tubarões que brilham no escuro produzindo a sua própria luz. Os registros foram publicados na revista científica Frontiers in Marine no fim de fevereiro.

Os peixes foram encontrados na costa leste da Nova Zelândia por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas sobre Água e Atmosfera da Nova Zelândia e da Universidade Católica de Louvain, na Bélgica.

Entre as espécies fotografadas, está o tubarão kitefin, considerado o maior animal vertebrado luminoso conhecido, podendo alcançar até dois metros de comprimento. Além dele, os tubarões blackbelly lanternshark e lantern shark também foram encontrados pelos cientistas.

O fenômeno que permite esses peixes brilharem no escuro é chamado de bioluminescência, e ocorre por conta de uma reação bioquímica realizada por moléculas que reagem fazendo com que os animais produzam luz própria.

“Este primeiro estudo experimental de três espécies de tubarões luminosos da Nova Zelândia fornece uma visão sobre a diversidade da bioluminescência destes animais, e destaca a necessidade de mais pesquisas para ajudar a entender esses habitantes incomuns do fundo do mar”, destacaram os pesquisadores no artigo publicado.

Segundo os cientistas, o brilho produzido pelos tubarões é utilizado como uma estratégia de camuflagem para capturar presas e se afastar de predadores, uma vez que ele fica com uma coloração praticamente igual à do fundo do oceano.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas