Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Caso Marielle: PF vai ouvir delegado acusado de envolvimento na segunda

Determinação para que PF interrogue Rivaldo Barbosa partiu do ministro Alexandre de Moraes

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em BrasíliaOpens in new window

Delegado suspeito de interferir em investigações (Fernando Frazão/Agência Brasil - 13.7.2018)

A Polícia Federal vai ouvir na próxima segunda-feira (3) o delegado e ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro Rivaldo Barbosa sobre as investigações da morte de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018. A informação foi confirmada pelo R7. Barbosa está preso desde 24 de março, acusado de ser um dos mentores do crime, ao lado dos irmãos Brazão.

LEIA MAIS

A determinação para que o delegado seja ouvido partiu do ministro do STF (do Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, nessa segunda-feira (27). “Senhor Delegado, Encaminho-lhe os termos da decisão de cópia anexa para adoção das providências necessárias ao seu cumprimento, no sentido de proceder à oitiva do denunciado RIVALDO BARBOSA DE ARAÚJO JÚNIOR, no prazo máximo de cinco dias, assegurado o direito ao silêncio e a garantia de não autoincriminação, se instado a responder a perguntas cujas respostas possam resultar em seu prejuízo”, diz Moraes no documento de intimação.

Na semana passada, Moraes negou um pedido da defesa do delegado e manteve-o em prisão preventiva. Em abril, a defesa do delegado pediu ao Supremo Tribunal Federal para que ele fosse pela Polícia Federal. A esposa dele também pediu para prestar depoimento. Isso porque, de acordo com a defesa, mesmo com a determinação do ministro Alexandre de Moraes, os depoimentos ainda não ocorreram.

Em março, a Polícia Federal informou ao STF que o crime de execução da vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes, foi idealizado pelos dois irmãos Domingos e Chiquinho Brazão e meticulosamente planejado pelo delegado Rivaldo Barbosa, que era chefe de polícia do Rio de Janeiro na época do assassinato.

Publicidade

Rivaldo Barbosa e os irmãos estão presos desde o dia 24 de março deste ano. João Francisco Inácio Brazão, conhecido como Chiquinho, é deputado federal do União Brasil pelo Rio de Janeiro. Assim como Marielle, ele era vereador do município quando o assassinato ocorreu. O envolvimento do parlamentar fez com que as investigações fossem ao STF, já que Chiquinho tem foro privilegiado.

Domingos Brazão é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. Autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson, o ex-policial militar Ronnie Lessa afirmou aos investigadores, em delação premiada, que Domingos teria encomendado o crime.

Lessa teria afirmado que o crime seria uma vingança contra o ex-deputado estadual Marcelo Freixo e a ex-assessora dele, Marielle Franco. Os três, segundo os investigadores, travavam disputas na área política do estado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.