Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

PF vai encaminhar a Milei lista com pedidos de extradição de envolvidos no 8 de Janeiro

Corporação estima que ao menos 65 investigados tenham fugido de forma ilegal para a Argentina

Brasília|Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Invasão ao Palácio do Planalto em 8 de janeiro de 2023
Invasão ao Palácio do Planalto em 8 de janeiro de 2023 Invasão ao Palácio do Planalto em 8 de janeiro de 2023 ( Joedson Alves/Agencia Brasil - 8/1/2023)

A Polícia Federal vai encaminhar na próxima semana ao governo do presidente argentino, Javier Milei, uma lista com pedidos de extradição de pessoas envolvidas nos atos de 8 de janeiro de 2023 que se refugiaram na Argentina. De acordo com fontes da corporação ouvidas pelo R7, a medida será tomada com a anuência do Ministério das Relações Exteriores e do STF (Supremo Tribunal Federal).

Leia mais

Uma lista inicial estabelecida pela corporação aponta que cerca de 65 envolvidos nos atos de vandalismo na Praça dos Três Poderes foram para a Argentina de forma ilegal. A ideia da PF é, também, incluir os nomes desses investigados e foragidos em uma rede que envolve as polícias de todo o continente americano, chamada de Ameripol.

Integrantes da corporação, contudo, têm apreensão com a resposta que virá de Milei, uma vez que o presidente do país vizinho é crítico de Luiz Inácio Lula da Silva. Durante a campanha eleitoral, o argentino subiu o tom contra o petista diversas vezes, chegando a dizer, inclusive, que o brasileiro era “comunista” e “corrupto”.

Na última quinta-feira (6), a PF fez uma megaoperação em 18 estados e no Distrito Federal para recapturar foragidos do 8 de Janeiro. Ao todo, 209 pessoas estavam foragidas. Os fatos constituem os crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime e destruição de bem especialmente protegido.

Ao longo de 27 fases, a operação Lesa Pátria, que é permanente, realizou centenas de prisões de pessoas envolvidas nos atos extremistas. “Mais de duas centenas de réus, deliberadamente, descumpriram medidas cautelares judiciais ou ainda fugiram para outros países, com o objetivo de se furtarem da aplicação da lei penal”, informou a PF.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.