Brasil

19/1/2013 às 12h14 (Atualizado em 19/1/2013 às 12h15)

Honestino será o primeiro caso investigado pela Comissão da Verdade da UNE

Estudante integra a lista dos desaparecidos durante a ditadura

Agência Brasil

 

O estudante Honestino Guimarães foi homenageado na abertura do 14º Coneb (Connselho Nacional de Entidades de Base) da UNE (União Nacional dos Estudantes). O desaparecimento de Honestino, atribuído à repressão da ditadura militar (1964-1985), será o primeiro caso investigado pela recém-criada Comissão da Verdade da UNE.

A comissão vai investigar, apurar e esclarecer casos de morte e tortura de pelo menos 46 dirigentes da entidade.

Por diversas vezes, Honestino foi aplaudido por um auditório lotado. O coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Cláudio Fonteles, lembrou do amigo morto:

— É um momento carregado de muita emoção: Honestino Guimarães foi meu colega, começamos juntos na política estudantil, quando estudávamos em Brasília, no colégio Elefante Branco. A grande homenagem a Honestino e tantos outros é nunca mais perminir o retorno de uma ditadura.

Líder estudantil, presidente da Federação dos Estudantes Universitários de Brasília e presidente da UNE, Honestino Guimarães foi preso cinco vezes, uma delas 20 dias após casar-se, em 29 de agosto de 1968, na UnB (Uiversidade de Brasília).

Leia mais notícias no R7

Honestino integra a lista dos desaparecidos da ditadura de 1964. Os órgãos responsáveis pelas prisões admitiram que ele tinha sido preso, mas o estudante não foi visto por outros presos. A família não sabe o que aconteceu com ele.

Ele foi o primeiro colocado no vestibular da UnB antes de completar 18 anos, em 1965. Escrevua poesias. “Cara simples, humano, as únicas armas eram pensamentos e palavras”, disse o sobrinho do estudante, Mateus Dounis Guimarães.

Acima da mesa dos convidados estavam afixados cartazes com os rostos dos ex-dirigentes. Todos terão o desaparecimento investigado pela Une. Durante o depoimento de Mateus, a gravura de Honestino se desprendeu, caindo sobre a mesa.

O presidente da Une, Daniel Iliescu, prontamente cedeu o lugar à imagem. “Ele repetiu o marcante ato em Salvador, quando a Une foi refundada após a ditadura: uma cadeira foi deixada vazia para Honestino”, recordou o ex-ministro dos Direitos Humanos, Paulo Vanucchi.

A Comissão da Verdade da UNE foi lançada oficialmente na última sexta-feira (18). A comissão será formada por pesquisadores e familiares de 46 ex-dirigentes da entidade desaparecidos durante a ditadura militar (1964-1985).

A comissão recebeu apoio da Comissão Nacional da Verdade, da Comissão da Anistia do Ministério da Justiça e do ex-ministro dos Direitos Humanos, Paulo Vanucchi. O último comprometeu-se a ajudar e acompanhar de perto o trabalho da comissão.

A comissão deverá finalizar as atividades em março de 2014, com a composição de um relatório. Esse relatório poderá servir de subsídio para o relatório final da Comissão Nacional da Verdade, a ser entregue em maio de 2014. Cláudio Fonteles, da Comissão Nacional, espera bons frutos da parceria:

— Teremos com eles uma relação de troca. A Nacional da Verdade é a única comissão que tem o poder de requisição de documentos, por lei. Então se a Une precisar de algo protegido por sigilo, nós podemos conseguir.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!