Small-house Faça do R7.com sua página inicial

SIM NÃO

Brasil

9/2/2013 às 15h38

Saques com uso de cartões corporativos tiveram queda nos últimos três anos

Entre 2010 e 2012, a redução no uso da modalidade caiu R$ 10,8 milhões

Da Agência Brasil

As medidas adotadas pela CGU (Controladoria-Geral da União) para regulação dos saques feitos com cartões corporativos têm mostrado resultado nos últimos anos.

Entre 2010 e 2012, a redução no uso da modalidade caiu R$ 10,8 milhões. Há três anos, foram realizados saques na boca do caixa de R$ 17,7 milhões, e em 2012, o ano fechou com saques de R$ 6,9 milhões.

Em 2008, após várias denúncias de gastos irregulares com os cartões corporativos, o Congresso instituiu uma comissão parlamentar mista de inquérito para apurar o uso da modalidade.

Na época, foram identificados gastos indevidos por meio das chamadas contas tipo B, mantidas no banco em nome do servidor, que sacava o recurso e só prestava contas 90 dias depois, sem nenhuma transparência para o público.

Leia mais notícias no R7

Entre as medidas adotadas, está a publicação dos gastos com cartões corporativos na internet. De acordo com o ministro da CGU, Jorge Hage, a transparência garantiu maior rigor no uso do suprimento como forma excepcional de execução de despesa, “o que se refletiu na redução dessa forma de gasto”.

— Os saques só se justificam em situações nas quais não dá para fazer a compra direta na loja, usando a maquininha.

Hage citou como exemplos o recenseador do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e o agente de saúde indígena, que precisam trabalhar em áreas remotas.

Com a diminuição dos saques na boca do caixa, os servidores têm passado a usar cada vez mais o cartão para compras diretas, mediante fatura. Esse tipo de gasto é colocado à disposição para controle público diretamente na internet.

Os dados divulgados pelo órgão de controle do Executivo demonstram, ainda, redução crescente com despesas sigilosas no governo da presidenta Dilma Rousseff. Em 2010, foram registradas despesas da ordem de R$ 32 milhões; em 2011, o valor caiu para 29,9 milhões; e, no ano passado, foi R$ 27,9 milhões.

Nas despesas sigilosas estão incluídos gastos com investigações conduzidas por agentes da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) ou da Polícia Federal. Hage disse que essas despesas incluem ainda a segurança da Presidência da República.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Compartilhe
Pechinchas

Leilão da PF vende caminhonete por R$10,5 mil e GM Omega por R$ 1,8 mil

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Esposa modelo

Conheça Letícia Weber, a mulher do senador e pré-candidato Aécio Neves

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Duro na queda!

Novos blindados do Exército resistem a explosões e atingem alvo a 2.000 metros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Relacionamento

Amor na política: conheça os casais que se formam nos bastidores da vida pública

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Brasil

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!