PM prende suspeito de sequestrar e ameaçar cortar a cabeça da ex-namorada para exibir em baile funk

Vítima ainda está desaparecida, mas PM encontrou cabelos que seriam dela na casa do suspeito

Keila Benizia Pereira está desaparecida deste a noite de terça-feira
Keila Benizia Pereira está desaparecida deste a noite de terça-feira Record Minas

Um jovem de 23 anos foi preso na noite dessa terça-feira (19) suspeito de sequestrar e ameaçar de morte a ex-namorada em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte. Keila Benizia Pereira, de 20 anos, está desaparecida desde a noite passada e, na manhã do mesmo dia, a vítima havia sido agredida e ameaçada de morte pelo suposto autor.  

Segundo a PM (Polícia Militar), uma amiga da vítima relatou que Keila estava em sua casa quando apareceu uma adolescente de 15 pedindo para usar o banheiro. A testemunha deixou e, após sair do cômodo, a menor estaria conversando com sua amiga e ambas foram até a porta da residência.  

Após alguns minutos, a amiga percebeu que Keila não tinha voltado e alguns vizinhos teriam começado a gritar que a vítima foi forçada pela menor e outros dois indivíduos a entrar em um veículo. Imediatamente, a testemunha acionou a PM e informou sobre o sequestro da vítima.  

Leia mais notícias no R7 MG

Quando a PM chegou ao local, a mulher relatou que durante a manhã, Keila havia sido agredida com um soco no rosto e chegou a registrar um Boletim de Ocorrência e chegou a ser socorrida por militares até o Hospital de Pronto-Socorro Risoleta Neves, na região de Venda Nova, em Belo Horizonte.  

Após ter alta da unidade de saúde, a vítima teria dito que soube que a casa do ex, onde ela também morava, mas tinha sido expulsa, foi incendiada. Ela soube também que autor estaria acusando-a de ser responsável por atear fogo na casa e que, por isso, ele iria cortar sua cabeça e exibir em um baile funk na região. Ele também teria oferecido uma recompensa para quem a levasse até ele.   

Diante das informações, a PM foi até a casa onde Keila morava com autor antes de toda a confusão. Chegando lá, a testemunha reconheceu a adolescente que teria tirado sua amiga de casa e participado do sequestro. Imediatamente, os militares procuraram pelo responsável legal da menor e, ao encontrar sua mãe dentro da casa, esta teria negado que a adolescente fosse sua filha.  

A menor seria irmã do suposto autor do crime e foi apreendida. Além de todos os indícios de participação dela no crime, ao entrar na casa onde ela e a família moram, a PM localizou uma caixa com várias munições calibre 38, uma faca, diversos sacos plásticos utilizados para dolagem de drogas e uma grande quantidade de cabelo cortado, que de acordo com a testemunha, seriam mechas do cabelo da amiga sequestrada.  

Além disso, a testemunha também informou que ouviu a vítima dizendo que o ex-namorado guardava um revólver calibre 38 dentro do fogão. Os militares então revistaram o local, mas encontraram apenas um invólucro com 66 pedras de crack e mais uma munição calibre 38. A arma não foi achada.  

Prisão do suposto sequestrador  

Após a apreensão da adolescente, a polícia iniciou rastreamento pelo bairro em busca do ex-namorado de Keila, que acabou sendo localizado e preso em um barracão. Neste momento, a mãe do rapaz e da menor teria tentado impedir a prisão do filho e foi contida à força pelos militares.  

Outros moradores da região também tentaram intervir na ação policial e teriam agredido os militares e ateado objetos contra eles. Uma garrafa de cerveja jogada contra a guarnição quase atingiu um dos policiais e, por isso, eles teriam disparado um tiro para o alto. Com isso, as pessoas se dispersaram e apenas uma das agressoras foi presa.  

Apesar da prisão dos supostos autores, nenhum deles confessou envolvimento no sequestro da vítima. Também não há informações sobre onde ela estaria sendo mantida e se há envolvimento de outras pessoas no suposto crime.   

A PM realizou buscas no bairro com apoio de uma aeronave e pediu reforço de outras viaturas, mas nenhuma pista de Keila foi encontrada. A perícia esteve no local e encontrou um chip de telefone e uma mancha de sangue entre os objetos apreendidos pela PM, que podem ajudar nas investigações.   

Todos os quatro detidos detidos foram encaminhados à Delegacia de Plantão de Vespasiano.