Brasil No ‘Mês das Mulheres’, UNP desenvolve ações em 26 presídios femininos

No ‘Mês das Mulheres’, UNP desenvolve ações em 26 presídios femininos

Programação tem workshops, palestras, distribuição de kits de higiene pessoal e máscaras; Brasil tem 4ª maior população carcerária feminina

O número de mulheres presas explodiu nos últimos 20 anos, passando de 5,6 mil no ano 2000 para 37,2 mil em 2019, segundo dados do Ministério da Justiça. Para ajudar na ressocialização dessas detentas, o programa social Universal nos Presídios (UNP) está dedicando um esforço especial neste mês de março.

Em 26 presídios femininos localizados em 13 estados, a UNP está distribuindo itens de higiene pessoal, pacotes de fraldas descartáveis, kits de maquiagem e máscaras. A programação do “Mês das Mulheres'' prevê, ainda, a distribuição de refeições, workshops sobre maquiagem, palestra e serviços de saúde, como a aferição de pressão arterial. As ações da UNP seguem todos os protocolos sanitários para evitar o contágio e a propagação da covid-19.

A estimativa da UNP é que cerca de 3,1 mil encarceradas sejam beneficiadas. Além das detentas, as atividades desenvolvidas por 451 voluntárias também alcançarão agentes penitenciárias, ex-detentas e familiares das presas.

De acordo com Clodoaldo Rocha, responsável pelo UNP no Brasil, “há alguns anos, o Brasil vem subindo no ranking internacional, e já é o país com a quarta maior população carcerária feminina”.

“A UNP tenta estar presente também nos lares das detentas, cuidando das famílias delas, para evitar que mais algum membro se desvie para o crime. Percebemos que, em alguns casos, há mais de um familiar cumprindo pena”, explica.

A ex-detenta B., de 29 anos -- hoje uma trabalhadora autônoma -- conta que participou de ações da UNP e gostou. “O que foi falado me ajudou muito. Já pensei em desistir, mas quando ouvi sobre o valor que a mulher possui, me fortaleci novamente. Sou grata pela UNP nunca desistir de mim”.

Mantida pela Igreja Universal do Reino de Deus, a UNP surgiu há mais de 30 anos e vem atuando nas penitenciárias masculinas e femininas de todo o Brasil, amparando mais de 500 mil presidiários. O trabalho do programa social se expandiu e hoje está presente em mais 55 países nos cinco continentes.

Em 2020, foram atendidas 1,4 milhão de pessoas, entre detentos, familiares e funcionários de presídios em todo o Brasil.

Últimas