Brasil  Relatora quer obrigatoriedade de vaga a mulher no Legislativo

 Relatora quer obrigatoriedade de vaga a mulher no Legislativo

 Proposta da deputada Renata Abreu prevê reserva de cadeiras para mulheres na Câmara dos Deputados e nas Assembleias

Agência Estado
Deputada Renata Abreu, luta por representatividade feminina na Câmara

Deputada Renata Abreu, luta por representatividade feminina na Câmara

Câmara dos deputados

Escolhida nesta semana como relatora da reforma eleitoral da Câmara, a deputada Renata Abreu, presidente do Podemos, afirmou que quer incorporar ao texto a obrigatoriedade da reserva de vagas para mulheres no Legislativo. A proposta prevê cadeiras para elas na Câmara dos Deputados, de Vereadores e nas Assembleias.

O porcentual, segundo Renata, deve ficar na casa dos 15%, similar à representatividade feminina na Câmara dos Deputados, atualmente. "Faz diferença? Muita. Pode não ter um efeito tão grande na Câmara federal, mas vai ter impacto gigante nos municípios, porque há muitos que não têm sequer uma mulher eleita. Não adianta colocar 50% que não vai passar", disse a deputada.

Renata também quer debater a possibilidade de estender essa reserva a outras instituições, dos partidos ao Supremo Tribunal Federal. As mudanças propostas pela Comissão Especial da reforma precisam ser aprovadas no Congresso e sancionadas pelo presidente Jair Bolsonaro até outubro, para que possam valer nas eleições de 2022.Os trabalhos no colegiado terão prazo de 40 sessões. Renata, por sua vez, poderá contar com 20 sessões para apresentar seu parecer. 

Últimas