Brasília CPI é retomada após tumulto entre senador e advogado de Hang

CPI é retomada após tumulto entre senador e advogado de Hang

Rogério Carvalho disse que foi desrespeitado. Aziz suspendeu a sessão por alguns minutos após intenso bate-boca

  • Brasília | Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

Empresário Luciano Hang presta depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (29)

Empresário Luciano Hang presta depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (29)

Edilson Rodrigues/Agência Senado

O depoimento do empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 começou de forma tumultuada. O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu a sessão após intenso bate-boca envolvendo senadores e os advogados do empresário. Aziz determinou que um dos defensores saísse da sala e apenas um ficasse no recinto. A questão gerou ainda mais discussões com os senadores da base governista. O intervalo durou alguns minutos, e a sessão foi retomada com mais tranquilidade.

Acompanhe a reunião ao vivo.

A confusão foi intensificada depois que o senador Rogério Carvalho (PT-SE) disse ter sido desrespeitado pelo advogado de Hang. Na ocasião, o empresário, que levou algumas placas à sala da comissão, mostrou uma delas, e o senador petista argumentou que ele não poderia fazer determinadas manifestações na CPI. O advogado, então, afirmou: "Ele tem advogado aqui".

Nesse momento, o senador disse ter sido desrespeitado, um bate-boca teve início e o parlamentar exigiu que o advogado fosse retirado da sala. O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) interveio, afirmando que o advogado estava apenas defendendo os direitos do cliente. Carvalho ainda disse que o depoente estava provocando, depois de Hang fazer um gesto pedindo que ele baixasse o tom de voz. Após discussões, Aziz determinou a retirada do defensor. 

Antes do início da discussão, alguns senadores de oposição e independentes do governo criticaram Aziz, afirmando que ele precisa presidir a sessão. Aziz se irritou com as falas, que vieram dos senadores Otto Alencar (PSD-BA) e Jean Paul Prates (PT-RN). 

Últimas