Brasília Ministério da Saúde vai treinar profissionais para situações de emergência no Norte

Ministério da Saúde vai treinar profissionais para situações de emergência no Norte

O SOS de Ponta prevê 1.514 vagas e vai focar a especialização de profissionais do SUS; investimento é de R$ 40 milhões

  • Brasília | Victória Olímpio, do R7, em Brasília

Qualificação incluirá as áreas de ventilação mecânica e suporte básico de vida

Qualificação incluirá as áreas de ventilação mecânica e suporte básico de vida

Pixabay

O Ministério da Saúde lançou um programa, nesta segunda-feira (6), com o objetivo de selecionar profissionais de saúde para capacitação em situações de urgência e emergência na região Norte do Brasil. O SOS de Ponta prevê a oferta de 1.514 vagas para habilitação de médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeutas, com foco na abordagem ao paciente.

Mais de R$ 40 milhões foram investidos no programa, e a expectativa é que 10.500 profissionais sejam capacitados em todo o Brasil. A ação estratégica foi criada no fim de 2021 para fortalecer o pronto atendimento em todo o país.

A qualificação será feita nas áreas de ventilação mecânica e suporte básico de vida, avançado de vida cardiovascular, avançado de vida em pediatria, pré-hospitalar no trauma e avançado no trauma.

Para o diretor do Departamento de Gestão do Trabalho em Saúde, Vinícius Azevedo, um dos principais objetivos do SOS de Ponta é a redução da mortalidade em grande escala, além de fazer com que a saúde de qualidade, assim como nas metrópoles, chegue a áreas mais remotas. Um dos intuitos, ele diz, é prover melhor saúde e assistência para a população.

O secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Hélio Angotti Neto, ressaltou que a missão da secretaria é ordenar os recursos humanos no SUS e fomentar a capacitação efetiva de qualidade para a população da região Norte, além de receber reconhecimento pela qualidade dos recursos e fazer melhor uso do dinheiro do contribuinte.

Angotti citou a falta de oxigênio em Manaus durante a pandemia da Covid-19 e disse que a situação mostrou a necessidade de maior atenção à região. Por fim, ele afirmou que em breve o programa deve abranger o interior de todo o Brasil, para que todos recebam atendimento de qualidade.

Últimas