Cidades Estado prorroga por mais dois meses o reajuste emergencial do Cartão Alimentação

Estado prorroga por mais dois meses o reajuste emergencial do Cartão Alimentação

O Governo da Paraíba prorrogou o reajuste emergencial do Cartão Alimentação por mais dois meses. O valor de R$ 50 continuará sendo repassado para as 52 mil famílias beneficiadas nos meses de maio e junho deste ano. O acréscimo de 42% é uma das medidas sociais adotadas para ajudar as famílias em situação de vulnerabilidade […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Imagem ilustrativa/USP Imagens/Fotos Públicas

O Governo da Paraíba prorrogou o reajuste emergencial do Cartão Alimentação por mais dois meses. O valor de R$ 50 continuará sendo repassado para as 52 mil famílias beneficiadas nos meses de maio e junho deste ano.

O acréscimo de 42% é uma das medidas sociais adotadas para ajudar as famílias em situação de vulnerabilidade a enfrentar os efeitos da pandemia e representa um impacto financeiro que chega a cerca de R$ 750 mil por mês.

O Cartão Alimentação é um programa de transferência de renda que atende às famílias em situação de vulnerabilidade social em diversos municípios da Paraíba. Ele é utilizado na compra de gêneros alimentícios e é recebido em cerca de 300 estabelecimentos credenciados no estado.

Em 2019, o valor do cartão foi reajustado em 40%, passando para R$ 35. Em 2020, como medida de auxílio às famílias no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, teve o valor elevado por cinco meses, de abril a agosto.  Agora, em 2021, o último decreto publicado com medidas sociais já tinha autorizado o pagamento de R$ 50 nos meses de março e abril.

A gerente executiva de Segurança Alimentar e Nutricional da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano, Telma Virgínia, enfatiza que o aumento emergencial no valor de R$ 15 no Cartão Alimentação tem representado um ganho circunstancial para as famílias beneficiadas.

“Sabemos que, com a pandemia e os impactos econômicos, o reajuste na cesta básica foi gigantesco. As famílias têm enfrentado dificuldades de comprar o alimento mínimo que as tirem de uma situação de insegurança alimentar e nutricional. O Governo entende essa realidade e tem realizado esse aumento emergencial que também impacta diretamente na economia local, já que gera fluxo para os comerciantes cadastrados naquelas comunidades”, lembra a gerente.

Últimas