Folha Vitória Apenas 16% das mulheres de 25 a 65 anos realizam exames ginecológicos no Brasil

Apenas 16% das mulheres de 25 a 65 anos realizam exames ginecológicos no Brasil

Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) alerta para os impactos da queda de vacinação no diagnóstico precoce de câncer no colo do útero

Folha Vitória
Foto: Thinkstock
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O câncer no colo do útero é um tumor causado pela infecção persistente por alguns tipos de HPV, o papiloma humano. O terceiro mais comum entre as mulheres brasileiras, ficando atrás apenas do câncer de mama e de cólon. A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou em 2018 um alerta internacional e elegeu três metas principais a serem cumpridas até 2030 para a eliminação do câncer de colo do útero:

- Vacinação contra o HPV em 90% das meninas e adolescentes de até 15 anos;

- Realização de exames de Papanicolau de pelo menos 30% da população feminina de 25 a 65 anos;

- Acesso ao tratamento no estágio inicial da doença a pelo menos 90% da população.

Nos últimos anos, o Brasil foi na contramão dos países desenvolvidos ao deixarmos de oferecer a vacina de HPV nas escolas da rede pública, o que gerou a redução da cobertura vacinal médica de 90% em 2014, para 52% em meninas e 22% em meninos em 2019. É a primeira vez que isso acontece, em 20 anos.

O caso se engloba em um contexto de queda na taxa de vacinação nos últimos cinco anos, que já chegam a 27% para alguns imunizantes. Em meio a pandemia do coronavírus, a situação é ainda pior. Profissionais da saúde relatam atrasos na busca de vacinas também este ano, o que indica a possibilidade de quedas ainda maiores nos índices.

Outro problema em nosso país é a não realização de exames preventivos, disponíveis gratuitamente nas unidades básicas de saúde. Estimativas do Ministério da Saúde indicam que apenas 16% das mulheres de 25 a 65 anos realizam exames ginecológicos no Brasil, número que representa aproximadamente metade do mínimo indicado pela OMS.

Últimas