Folha Vitória Como a venda direta se tornou um meio alternativo de renda

Como a venda direta se tornou um meio alternativo de renda

Com as consequências da pandemia de COVID-19 para a economia, o ramo de venda direta cresceu cerca de 5,5% em 2020. Sendo assim, profissionais autônomos optam por este tipo de fonte de renda extra.

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

As consequências causadas pela pandemia de COVID-19 na economia foram grandes. Segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), pesquisa feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), estima-se que 13,2% dos trabalhadores estejam desempregados e buscando diversas formas de obter uma renda para a família. A venda direta, um método de distribuição e vendas que procura por vendedores autônomos para realizar a comercialização de produtos, está se estabelecendo como uma dessas formas, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABVED).

Em 2020, o número de revendedores aumentou em 5,5% no país em comparação ao ano anterior e movimentou mais de R$ 50 bilhões. O levantamento é da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas, a ABEVD. As pesquisas também indicaram que os revendedores conseguem aumentar, em média, 33% do orçamento familiar com a venda direta. Além disso, 66% das pessoas que buscam esta forma de trabalho utilizam o dinheiro que ganham como forma de complementar a renda, mostrando que esse método de distribuição e vendas é uma possibilidade de renda alternativa.

A presidente da ABEVD, Adriana Colloca, enfatiza que as empresas estão investindo em revendedores para ampliar seus rendimentos. Mesmo com medidas restritivas da pandemia, esses revendedores buscam formas de apresentar seus produtos aos consumidores, seja pessoalmente ou pela produção de conteúdo em mídias sociais. Um exemplo de setor que se beneficia desse tipo de vendas é o de cosméticos, que responde por 52% do mercado de venda direta, segundo a pesquisa feita no site da ABEVD.

Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Venda Direta (ABEVD), em 2020 o segmento gerou um volume de negócios de mais de R$ 50 bilhões, 10,5% maior do que em 2019.

Para mais informações, basta acessar: http://thipos.com/revenda/

Últimas