Folha Vitória Entenda por que pontos de ônibus municipais e do Transcol não foram unificados após integração

Entenda por que pontos de ônibus municipais e do Transcol não foram unificados após integração

As linhas municipais de Vitória foram integradas ao sistema Transcol, mas os pontos de embarque e desembarque continuam separados em algumas regiões

Folha Vitória
Foto: Gabriel Barros | Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Ponto de ônibus na avenida Maruípe para linhas do Transcol 

"Esse ponto é do 'verdinho' ou do Transcol?" Se você utiliza o transporte público em Vitória certamente já ouviu essa pergunta. Pessoas que não estão habituadas a pegar ônibus em certas regiões da cidade ficam em dúvida sobre o ponto que devem esperar o coletivo, já que, em algumas localidades, os embarques das linhas municipais e intermunicipais são separados.

O estudante Arthur Gabriel, de 21 anos, contou que às vezes fica na dúvida sobre em qual ponto esperar o ônibus. Morador de Jardim Camburi, em Vitória, o jovem pode pegar linhas municipais e do Transcol para ir ao trabalho e para voltar para casa. 

"Eu trabalho em Fradinhos, em Vitória, e espero o ônibus em frente ao Ifes. Ali tem um ponto em que só para verdinho e outro, mais à frente, em que só para ônibus do Transcol. Eu fico na dúvida porque teve a integração dos ônibus, mas eu não sei se os pontos também integraram", contou. 

Muitos passageiros têm se perguntado o motivo pelo qual os pontos de ônibus da capital não foram unificados após a integração do sistema municipal ao Transcol, que ocorreu há quase dois meses. 

"Se os ônibus do verdinho e Transcol foram integrados, eu acho que deveria unificar os pontos, tanto para ajudar o passageiro a não ficar mais confuso sobre em qual ponto esperar o ônibus, tanto para agilizar, para as pessoas seguirem para os seus compromissos", afirmou Arthur.

Você também já se perguntou por que os pontos não foram unificados? O Folha Vitória foi atrás de respostas. De acordo com a Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb-ES), responsáveis pelas linhas, existem dois principais motivos. 

O primeiro motivo está relacionado ao hábito dos passageiros. De acordo com a Ceturb-ES, os pontos de parada foram mantidos para não confundir os usuários do transporte público da Grande Vitória que estão acostumados a embarcar e desembarcar nos pontos atuais. 

O segundo motivo está relacionado à logística. A separação dos pontos em alguns locais, como as avenidas Vitória, Maruípe e Reta da Penha, por exemplo, evitam o acúmulo de coletivos aguardando o embarque e desembarque dos passageiros, especialmente nos horários de pico.

Mudanças no transporte público

Em dois anos, o transporte público da Grande Vitória passou por algumas mudanças. As mais significativas estão na implementação do CartãoGV, o pagamento das passagens exclusivamente pelo bilhete eletrônico, além da integração das linhas de ônibus municipais de Vitória ao Transcol.

A estudante Isabela Pinheiro de Sá estava em um intercâmbio na Austrália desde dezembro de 2019 e não acompanhou todas as alterações que ocorreram. Ao voltar para o Espírito Santo, no inicio deste ano, a capixaba e o noivo precisaram lidar com o "choque de realidade" e se adaptar.  

"Logo que eu voltei, o meu noivo teve que ir resolver algumas coisas e precisou pegar ônibus. Ele não conseguiu embarcar porque não tinha o cartão. Ele tinha levado apenas dinheiro. Nesse dia não teve jeito: o motorista disse que só poderia embarcar com o cartão. Ele teve que pegar um Uber e até ficou bravo, porque o lugar era longe e saiu caro", contou.

Foto: Iures Wagmaker / Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Integração 

A integração do sistema de transporte público de Vitória ao Transcol tem sido realizado em etapas. A primeira delas foi a implementação do CartãoGV. Desde setembro de 2019, os usuários do transporte público da Grande Vitória podem embarcar em qualquer ônibus com apenas um cartão. 

Em maio deste ano, as linhas municipais de Vitória foram integradas ao Transcol. Como não existem terminais na capital, foi estabelecido um tempo limite para que os usuários do transporte público embarquem em uma segunda linha, sem pagar por uma nova passagem. 

LEIA TAMBÉM: Começa integração nos ônibus Transcol em Vitória. Tire dúvidas sobre mudanças

Atualmente, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi), cerca de 455 mil passageiros utilizam diariamente o transporte público na Grande Vitória. São realizadas, em média, 3.500 conexões por dia em Vitória. 

O tempo para conexão varia de acordo com as linhas de embarque do passageiro. Veja: 

Primeiro embarque na linha alimentadora de Vitória
- Usuário tem até 30 minutos para realizar o segundo embarque em Vitória.
Primeiro embarque nas linhas troncais ou roletas de terminais
- Passageiro tem até uma hora para realizar o segundo embarque em Vitória.
Primeiro embarque nas linhas alimentadoras de Vila Velha, Cariacica, Serra e Viana
- Passageiro tem até uma hora e 30 minutos para realizar o segundo embarque em Vitória.

De acordo com a Ceturb-ES e a Semobi, avaliações no funcionamento da integração estão sendo realizadas constantemente e a ampliação do tempo de embarque pode ocorrer caso seja necessário. 

Foto: Reprodução/ Jordan Andrade/ Ceturb
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Pagamento das passagens

Por conta da pandemia do novo coronavírus, desde maio de 2020 as passagens nos ônibus da Grande Vitória só podem ser pagar por meio do CartãoGV. O pagamento em dinheiro está suspenso até que a circulação do vírus seja controlada.

O CartãoGV também é responsável por permitir que a integração dos ônibus em Vitória seja possível. 

A tecnologia do sistema de bilhetagem eletrônica, implantada pelo governo do Estado, permite o registro do embarque do usuário e, assim, quando ele faz um novo embarque no tempo estipulado, não é cobrada a segunda tarifa.

Foto: Raíssa Bravim | Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Como adquirir o CartãoGV? 

O CartãoGV pode ser adquirido com os agentes de venda itinerantes, nas lojas da GVBus e nas máquinas de autoatendimento que estão disponíveis nos terminais de Campo Grande, Jardim América e Itacibá, em Cariacica, no de Laranjeiras, de Jacaraípe e de Carapina, na Serra, nos terminais de Vila Velha, do Ibes e São Torquato, em Vila Velha. 

As máquinas de autoatendimento também podem ser encontradas na Rodoviária de Vitória, no Masterplace Mall, na loja de cadastro do Setpes, na capital, além do shopping Moxuara, em Cariacica, nos shoppings Mestre Álvaro e  Montserrat, na Serra, nos shoppings Praia da Costa, Boulevard Vila Velha e Shopping Vila Velha, em Vila Velha, e nos shoppings Vitória e Norte Sul, em Vitória. 

Além dos pontos mencionados, as recargas podem ser realizadas pelo aplicativo Ônibus GV. 

Foto: Raíssa Bravim | Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Recadastramento dos estudantes

Por conta da pandemia, o bilhete eletrônico dos estudantes ficou bloqueado durante alguns meses. Com o avanço da vacinação e a retomada gradual das aulas no Espírito Santo, os cartões foram desbloqueados. 

Alguns alunos, no entanto, precisam fazer o recadastramento. O prazo que, inicialmente, terminaria na última semana foi ampliado para o dia 31 de julho. O recadastro é feito exclusivamente pela internet, no site do GVBus, e é indispensável para que o aluno continue a usufruir do benefício.

LEIA TAMBÉM: Maioria dos estudantes ainda não realizou o recadastramento do Cartão GV Escolar

De acordo com o diretor executivo do GVBus, Elias Baltazar, a estimativa é que 59,8 mil estudantes façam o recadastramento. O número é baseado no histórico de cadastros anuais, anteriores à pandemia. 

“Nossa preocupação é que 65% dos alunos esperados não enviaram os documentos. Estimamos que mais de 25 mil alunos sequer acessaram nosso sistema”, explicou. 

Quem não realizar o recadastro terá o cartão bloqueado e só conseguirá desbloquear após regularizar a situação junto ao GVBus.

Últimas