Folha Vitória Febre maculosa: entenda o que é, quais os sintomas e tratamentos; 3 casos foram confirmados no ES

Febre maculosa: entenda o que é, quais os sintomas e tratamentos; 3 casos foram confirmados no ES

Outros três casos seguem em investigação. A doença é perigosa, mas tem cura desde que o tratamento comece nos primeiros dois ou três dias. Demora no diagnóstico pode provocar complicações graves

Folha Vitória

A febre maculosa é uma doença infecciosa transmitida por meio da picada do carrapato-estrela, contaminado pela bactéria Rickettsia rickettsii. Ele não é um carrapato comum, como aqueles encontrados em cachorros, por exemplo. 

Da espécie Amblyomma cajennense, pode ser encontrada em animais de grande porte: cavalos e bois, além de outros animais de menor porte, também.

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Segundo especialistas, para que aconteça a transmissão da doença, o carrapato infectado precisa ficar por algumas horas (cerca de 4 horas) fixado na pele das pessoas. Por serem muito pequenos, os carrapatos mais jovens tornam-se mais perigosos por serem mais difíceis de serem vistos pelas pessoas.

É importante ressaltar que não existe transmissão da doença de uma pessoa para outra. Entre seus principais sintomas estão febre, manchas pelo corpo, dores de cabeça e pode levar à morte.

> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas pelo WhatsApp? Clique aqui e participe do nosso grupo de Saúde!

Nesta quarta-feira (28), registros da doença no Espírito Santo acenderam o sinal de alerta. Dois casos de febre maculosa foram confirmados no município de Itapemirim, localizado no Sul do Estado. Segundo nota emitida pela prefeitura, 06 casos foram notificados, sendo 03 confirmados e outros 03 descartados.

Dos casos confirmados, dois pacientes são do sexo masculino e um do sexo feminino. Destes, um homem faleceu na Santa Casa de Cachoeiro. Os outros seguem internados na UTI do Hospital Evangélico Litoral Sul em Itapemirim.

Contaminação pode ter acontecido após pescaria 

A Sesa e a prefeitura trabalham com a linha de investigação epidemiológica de que a contaminação aconteceu em uma provável área distante da comunidade de Rio Muqui, onde dois dos pacientes confirmados realizaram uma pescaria.

Equipes da vigilância municipal e estadual estão realizando uma varredura na região, onde coletam materiais para uma pesquisa entomológica, na área onde vivem os pacientes e no local da pescaria.

A prefeitura informou ainda que a região e todos os pacientes estão sendo acompanhados e monitorados pela vigilância epidemiológica do Município.

Escolas e orientação às famílias dos alunos nesta sexta (30)

Na sexta-feira uma equipe da Secretaria de Saúde se reunirá com os pais dos alunos de Rio Muqui, para informar sobre a transmissão e evolução da doença. A Secretaria de Saúde ressalta que até o presente momento não há motivo para suspensão das aulas.

Quais os sintomas da febre maculosa

De começo repentino, a doença tem sintomas comuns a de outras infecções, como: - Febre alta;
- Dor no corpo;
- Dor da cabeça
- Falta de apetite; 
- Desânimo. 

Depois, surgem pequenas manchas avermelhadas parecidas com uma picada de pulga. Alguma vezes, apresentam pequenas hemorragias sob a pele. Aparecem em todo o corpo e também na palma das mãos e na planta dos pés.

De maneira geral, os sintomas levam de sete a dez dias para se manifestar e a partir daí, o tratamento deve começar dentro de no máximo cinco dias. Após este período, aumentam os riscos de que os medicamentos não surtam mais o efeito esperado.

Como tratar 

A doença é perigosa, mas tem cura desde que o tratamento com antibióticos comece nos primeiros dois ou três dias. A demora no diagnóstico e consequente mente, no tratamento, pode provocar complicações graves como: comprometimento dos rins, dos pulmões, do sistema nervoso central, lesões vasculares e levar à morte.

LEIA MAIS: Casos de febre maculosa são registrados no Sul do ES; uma pessoa morreu

Saiba como se prevenir 

Para se proteger e facilitar a visualização dos carrapatos é fundamental que as pessoas, quando entrarem em locais de mato, estejam de calça e camisa compridas e claras e, preferencialmente, de botas. 

- Mantenha a calça dentro das botas e lacrada com fitas adesivas;

- Evite caminhar em áreas conhecidamente infestadas por carrapatos; 

- Verifique, a cada duas horas, se há algum carrapato preso ao corpo. Quanto mais depressa ele for retirado, menores os riscos de infecção;

- Ao retirá-lo, não esmague com as unhas;-

- Retire os carrapatos com cuidado, por meio de uma leve torção, para que solte a pele;

- Repelentes com concentrações maiores do produto químico DEET (N-N-dietil-meta-toluamida), são eficientes contra mosquitos e carrapatos.

LEIA TAMBÉM: Pessoas magras que tentam perder peso têm maior risco de desenvolver diabetes tipo 2

Últimas