Folha Vitória Homem improvisa moradia após casa desabar em bairro da Serra

Homem improvisa moradia após casa desabar em bairro da Serra

De acordo com a Defesa Civil, o imóvel foi construído de forma irregular

Folha Vitória
Foto: Gabriela Molina / Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O homem que morava na casa que desabou em Jardim Carapina, na Serra, improvisou uma estrutura de madeira para morar. O desabamento aconteceu na manhã de domingo (18). Por sorte, ninguém estava na residência. 

Geraildo Pereira havia saído para trabalhar por volta das 7 horas. Cerca de duas horas depois, vizinhos entraram em contato com o morador da casa para contar sobre o ocorrido. 

Foto: Gabriela Molina / Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

No local, restaram ferros retorcidos, lajotas e pedaços de concreto. Virlene Neves, vizinha, contou que se assustou com o barulho e ficou preocupada com o homem que morava na residência há muitos anos. "Eu escutei um barulho e meu esposo falou que a laje tinha caído. Minha preocupação foi com ele. Os vizinhos socorreram os cachorros e começaram a gritar pelo Geraildo. Foi aí que ficamos sabendo que ele não estava em casa", disse. 

Depois do ocorrido, Geraildo precisou adaptar uma moradia. Ele montou uma estrutura de madeira no fundo do terreno com o fiel companheiro, o cachorro, e está sobrevivendo com doações e com a solidariedade dos vizinhos. "Eu fiz isso aqui para eu descansar", contou. 

O carro de Manoel Reis, morador da casa ao lado, foi atingido pelos entulhos. O muro da casa dele também desabou e agora ele precisa ter paciência para conseguir entrar em casa. "Tenho dificuldade para entrar por causa dos escombros. Preciso esperar virem tirar", afirmou. 

Ele contou que já havia alertado o vizinho sobre os riscos. A preocupação tinha um motivo. De acordo com o diretor da Defesa Civil do município, Antônio Carlos Coutinho, a casa foi construída de foram irregular. "A residência foi construída utilizando o muro para fazer a sustentação de uma parede. Ele, inicialmente, usou telhas eternit e, posteriormente, fez uma laje espessa. Nessa laje, usou areia da praia sem nenhuma especificação. Com isso, a estrutura não resistiu e colapsou", disse. 

O diretor orienta que a população busque um técnico de edificações e de engenharia para realizar obras e construções. "Existem empresas júnior e projetos sociais que realizam projetos para população de pequena renda", destacou. 

*Com informações da repórter Bianca Vailant, da TV Vitória/RecordTV

Últimas