Folha Vitória Mês do Combate ao Câncer: famosas revelam doença e ajudam prevenção

Mês do Combate ao Câncer: famosas revelam doença e ajudam prevenção

Ao falarem abertamente sobre a doença, de Ana Furtado a Carla Diaz, celebridades incentivam exames e promovem formas de identificar os sintomas de diversos tipos de câncer

Folha Vitória
Foto: Reprodução Instagram
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Ana Furtado teve câncer de mama; Carla Diaz já falou sobre enfrentamento ao câncer de tireóide; e Rita Lee recentemente se curou de um tumor no pulmão

De Ana Furtado a Carla Diaz, passando por Rita Lee e Ana Maria Braga, celebridades do mundo todo já comoveram ao revelarem que estavam enfrentando um câncer. Mas a repercussão toda nunca é à toa: elas ajudam a conscientizar a população sobre a importância dos exames regulares e identificação dos sintomas da doença. 

Em abril é celebrado o Mês de Combate ao Câncer e a Coluna Pedro Permuy ouve especialista que reforça o quão importante é investir no diagnóstico precoce. 

"Se a mulher tem ou teve familiares de primeiro grau: mãe, irmãs, avós e tias, que tiveram o câncer de mama ou de ovário, por exemplo, é importante que sejam acompanhadas por um especialista e faça exames como mamografia ou ressonância a partir dos 35 anos", diz o mastologista e oncologista clínico Marcos Ceccato. 

LEIA TAMBÉM: Power Couple 6: morador do ES, Nandinho, namorado de Ivy, é confirmado

E continua: "As chances de cura chegam a 90% quando o diagnóstico é precoce e até 98% em tumores não infiltrantes (estágio 0), informa o mastologista e oncologista clinico". "O nosso objetivo é conscientizar a mulher independente da idade, que qualquer alteração na mama deve ser considerada importante e a paciente deverá procurar por um especialista", fala. 

LEIA TAMBÉM: Zezé Di Camargo e Graciele visitam apê de luxo em Vila Velha: "Nada igual no Brasil"

Atualmente, recursos que são muito usados pelas celebridades, há possibilidade de novas drogas serem utilizadas ao longo do tratamento, que são "remédios inteligentes". A tecnologia dessas drogas causa menos efeito colateral e, tecnicamente, são chamadas de "terapia alvo". 

LEIA TAMBÉM: Colunista social mais antigo do mundo, Helio Dórea, do Folha Vitória, faz 91 anos: "Sou plenamente feliz"

Últimas