Número de infectados pelo coronavírus em asilos do Espírito Santo chega a 831

Já o número de mortes entre os idosos que permaneciam nas instituições subiu de 71 para 74, segundo relatório divulgado pelo Ministério Público Estadual

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

As Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPIs) no Espírito Santo já registraram 831 casos de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus, entre idosos residentes desses lares e funcionários. A constatação é do acompanhamento semanal realizado pelo Centro de Apoio Cível e Defesa da Cidadania (CACC) do Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

Os dados do relatório mais recente do CACC são da última sexta-feira (21). Entre os infectados, 470 são idosos que moram nos asilos e 361 são empregados dessas instituições. 

Já o número de mortes entre os idosos que permaneciam nas instituições subiu de 71 para 74. Os três novos óbitos foram registrados nos municípios de São Gabriel da Palha, Pinheiros e Serra.

De acordo com o MPES, as cidades com mais idosos residentes nas instituições com o novo coronavírus são Vila Velha (104 casos), Vitória e Serra (ambas com 67 casos), Colatina (30), Alegre (26) e Cachoeiro de Itapemirim (23). Vila Velha e Vitória concentram o maior número de óbitos de idosos residentes nas instituições, com 21 e 12 casos, respectivamente. Os municípios de Pinheiros e Marataízes apresentaram pela primeira vez casos de idosos com a covid-19.

O CACC possui registro de 94 instituições que respondem ao formulário, divididas em 36 municípios do Estado. Deste total, apenas 18 não reportaram contaminação entre idosos ou trabalhadores até a última sexta.

De acordo com o MPES, o acompanhamento semanal permite a notificação aos gestores estaduais e municipais, que possuem a responsabilidade de execução das políticas públicas, para que realizem as normas estabelecidas no país de prevenção e controle da infecção pelo novo coronavírus. Permite também apurar as responsabilidades dos dirigentes das instituições prestadoras do atendimento.

O Ministério Público ressalta ainda que, se comprovado ato praticado em detrimento à pessoa idosa sob a assistência dessas instituições, os dirigentes responderão civil e criminalmente, além de receberem sanções administrativas, como, em última escala, a interdição do serviço.