Folha Vitória Operação contra organização criminosa envolvida no tráfico de drogas cumpre mandados no ES

Operação contra organização criminosa envolvida no tráfico de drogas cumpre mandados no ES

As ordens judiciais autorizaram a entrada em estabelecimentos comerciais e residências em três municípios do Espírito Santo

Folha Vitória
Foto: Divulgação | MP
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Uma operação deflagrada na manhã desta quinta-feira (22), pelo Ministério Público de Minas Gerais, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em Belo Horizonte, cumpre mandados de busca e apreensão no Espírito Santo e também no Rio de Janeiro. 

A Operação Lock Down, como foi batizada, mira um grupo responsável pela distribuição e abastecimento de drogas para os aglomerados da Região Metropolitana de Belo Horizonte e de Vitória com o apoio de um advogado. 

Segundo o Ministério Público de Minas Gerais, ela prestava assessoria jurídica ao líder da organização e também passava informações sobre investigações em andamento e dados disponíveis em bancos de acesso restrito.

A ação contou com apoio dos Ministérios Público do Espírito Santo e do Rio de Janeiro, do Batalhão Rotam, do Batalhão de Polícia de Choque e da Companhia Independente de Policiamento do Cães da Polícia Militar de Minas Gerais. 

O objetivo é cumprir 13 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva expedidos pela 4ª Vara de Tóxicos, Organização Criminosa e Lavagem de Bens e Valores da Comarca de Belo Horizonte.

As ordens judiciais autorizaram a entrada em estabelecimentos comerciais e residências em Belo Horizonte e em três municípios do Espírito Santo e do Rio de Janeiro de pessoas investigadas pelo envolvimento com organização criminosa voltada para a prática de diversos crimes de tráfico interestadual de drogas e lavagem de dinheiro.

Ao longo das investigações foram apreendidas cerca de R$ 1 milhão em espécie, 40kg de cocaína e 500kg de maconha da organização criminosa.

Sobre a operação Lock Down

A ação contou com a participação de cinco promotores de Justiça dos de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, 91 policiais militares de Minas Gerais, 9 policiais militares do Espírito Santo e 8 policiais militares do Rio de Janeiro.

A operação foi batizada de Lock Down em alusão ao cerco promovido para o encerramento das atividades da organização criminosa, comandada de dentro do sistema prisional, uma vez que seu principal líder está preso em Minas Gerais. 

Últimas