Folha Vitória Rapaz é morto a facadas após se recusar a comprar refrigerante em Cariacica

Rapaz é morto a facadas após se recusar a comprar refrigerante em Cariacica

Lucas de Oliveira Patrício, de 24 anos, chegou a ser socorrido e levado para um hospital por moradores, mas não resistiu. Crime aconteceu no bairro Oriente, na noite de sexta-feira

Folha Vitória
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um jovem de 24 anos foi morto a facadas, na noite de sexta-feira (01), no bairro Oriente, em Cariacica. A vítima foi identificada como Lucas de Oliveira Patrício. Testemunhas disseram que o rapaz foi assassinado após ter se recusado a comprar uma garrafa de refrigerante de um usuário de drogas.

De acordo com moradores da região, o suspeito estava tentando vender um refrigerante e usar o dinheiro para comprar entorpecentes. Ele abordou a vítima, que teria se recusado a comprar o produto. Quando Lucas se virou, o suspeito teria o esfaqueado pelo menos quatro vezes.

Conforme Polícia Militar, o agressor fugiu do local em um ônibus, e ainda não foi localizado. A vítima, mesmo muito ferida, conseguiu correr até um hospital particular em Alto Lage, próximo ao local do crime.

Lucas chegou ao hospital acompanhado de moradores que presenciaram a cena. Segundo as testemunhas, o rapaz chegou muito debilitado e mal conseguia pedir socorro. 

No local, ele recebeu os primeiros socorros e foi transferido para o Hospital Estadual de Urgência e Emergência. No entanto, não resistiu aos ferimentos e morreu.

Leia também: Grávida é agredida pelo companheiro após fim de relacionamento na Serra

Familiares de Lucas estiveram no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, na manhã deste sábado (02), para liberar o corpo. Emocionada, a irmã do rapaz contou como se lembrará dele.

"Ele era um menino amoroso, mais família. Os outros achavam que ele era sério, mas um cara muito brincalhão", relatou.

A irmã estava com a vítima até pouco tempo antes de tudo acontecer. Segundo ela, o autor do crime chegou pedindo dinheiro, mas os dois alegaram que não tinham. 

A jovem disse que o irmão se negou a comprar o refrigerante, porque sabia qual seria a finalidade do dinheiro. Ela lembra ainda que pediu para que o suspeito a esperasse. 

"Na hora que eu vi, o autor estava correndo. Ainda falei 'Porque você está correndo?' e ele nem chegou a falar. Eu só vi meu irmão caído pedindo socorro", contou.

A irmã de Lucas disse também que o suspeito é conhecido, e que costumava cumprimentar e conversar com todos da família. 

Mesmo muito abalada, a mãe da vítima diz que perdoa o assassino do filho. Alega ainda que as drogas acabam com muitas famílias. 

*Com informações do repórter Gabriel Cavalini, da TV Vitória/ Record TV

Últimas