Portal Correio ‘Frio, sem emoções e foi trabalhar após crime’, diz delegado sobre padrasto de Júlia

‘Frio, sem emoções e foi trabalhar após crime’, diz delegado sobre padrasto de Júlia

O delegado Hector Azevêdo disse nesta quarta-feira (13), à TV Correio, que Francisco Lopes, padrasto de Júlia dos Anjos, não demonstrou arrependimento e se manteve frio e sem emoções ao confessar ter matado a enteada. Azevêdo deu informações à imprensa durante entrevista coletiva na Central de Polícia do Geisel, em João Pessoa. Francisco Lopes teve […] The post ‘Frio, sem emoções e foi trabalhar após crime’, diz delegado sobre padrasto de Júlia first appeared on Portal Correio.

Francisco Lopes, Júlia dos Anjos Brandão

Francisco Lopes, Júlia dos Anjos Brandão

Portal Correio
Francisco Lopes confessou assassinato da enteada, Júlia dos Anjos (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

O delegado Hector Azevêdo disse nesta quarta-feira (13), à TV Correio, que Francisco Lopes, padrasto de Júlia dos Anjos, não demonstrou arrependimento e se manteve frio e sem emoções ao confessar ter matado a enteada. Azevêdo deu informações à imprensa durante entrevista coletiva na Central de Polícia do Geisel, em João Pessoa.

Francisco Lopes teve a prisão preventiva decretada e será levado para o Presídio do Roger, em João Pessoa. Ele disse à polícia que matou a enteada de 12 anos asfixiada enquanto ela dormia em casa, na Capital, e depois levou o corpo para um local de mata, onde o jogou em um cacimbão.

‘Ele tinha ciúme de Júlia’, diz bisavó de adolescente sobre padrasto preso após confessar assassinato Caso Júlia dos Anjos: Padrasto diz que matou adolescente por asfixia

O delegado disse que ele entrou em contradição nos depoimentos durante as investigações e ao temer sofrer represálias, por ter sido ameaçado nas ruas, confessou que matou a adolescente.

Segundo o delegado, na confissão, ele disse que manteve a rotina após se desfazer do corpo. “Ele foi trabalhar normalmente, como se nada tivesse acontecido. Cumpriu normalmente as obrigações que tinha para aquele dia”, disse o delegado.

Hector Azevêdo explicou ainda que não foram levantadas informações sobre o quadro psicológico de Francisco Lopes, que indiquem a existência de alguma patologia, e também não sabe se ele teria envolvimento com outros crimes no passado.

Júlia dos Anjos desapareceu no dia 7 de abril. Um corpo foi encontrado pela polícia, em avançado estado de decomposição, nessa terça-feira (12), em um local indicado pelo suspeito, na Praia do Sol, em Gramame, perto do prédio onde a jovem morava.

O corpo encontrado passa por perícia para que seja comprovada a identificação, a causa da morte e se a vítima teria sofrido violência sexual. Apesar da polícia ter indícios de que seria Júlia, somente após os resultados dos exames do Instituto de Polícia Científica (IPC) é que será possível dizer de forma conclusiva quem é a vítima.

Entenda o caso

Júlia dos Anjos Brandão, de 12 anos, desapareceu de um condomínio residencial no bairro de Gramame, em João Pessoa, no dia 7 de abril. Segundo familiares, Júlia tinha saído de casa somente com o celular. Os parentes da adolescente acreditavam que ela havia sido raptada ou induzida a sair de casa por algum estranho.

A principal linha de investigação apontava para uma pessoa no Instagram. O perfil em questão se apresentou à adolescente pela rede social e ofereceu serviço de marketing digital. A mensagem da suposta consultora prometia um aulão gratuito a Júlia e dizia que a adolescente poderia ganhar dinheiro com a internet. O delegado Rodolfo Santa Cruz descartou a suspeita porque a pessoa foi localizada, tem endereço, contatos ativos e está em outro estado.

De acordo com a Polícia Civil, a última pessoa que viu a adolescente em casa foi o padrasto, Francisco Lopes. Nos primeiros depoimentos, ele informou às autoridades que, a pedido da esposa, Josélia Araújo, foi até o quarto de Júlia por volta das 6h40 do dia 7 de abril para verificar se ela já havia levantado. Segundo a versão inicial do padrasto, a adolescente dormia e Francisco teria saído para trabalhar logo em seguida. A mãe de Júlia se levantou por volta das 9h e percebeu que a menina não estava em casa.

Desde então, parentes se mobilizaram nas buscas por Júlia. O pai dela, Jeferson Brandão, que mora no Paraná, veio a João Pessoa com a atual companheira e uma tia da adolescente. A mãe dela, que está grávida de dois meses, também participou da procura por Júlia. Os familiares da menina percorreram diversos bairros e áreas de mata na Capital.

O desfecho trágico da história aconteceu nessa terça-feira (12), com a confissão do padrasto.

The post ‘Frio, sem emoções e foi trabalhar após crime’, diz delegado sobre padrasto de Júlia first appeared on Portal Correio.

Últimas