Cidades São José dos Campos tem menor taxa de morte por infarto entre grandes cidades

São José dos Campos tem menor taxa de morte por infarto entre grandes cidades

Em São José dos Campos, tecnologia, treinamento e suporte técnico compõem a receita que tem ajudado a preservar vidas

  • Cidades | Do R7 Conteúdo e Marca

Com o suporte do Sprint, as equipes têm mais respaldo para a tomada de decisões de forma mais ágil

Com o suporte do Sprint, as equipes têm mais respaldo para a tomada de decisões de forma mais ágil

Adenir Britto/PMSJC

O caminho que leva uma pessoa ao infarto normalmente é lento, pode demandar anos, mas quando se trata de assistência, o tempo é fundamental e a agilidade no percurso de atendimento faz toda a diferença para salvar o paciente.

Em São José dos Campos, tecnologia, treinamento e suporte técnico compõem a receita que tem ajudado a preservar vidas. De acordo com o Data SUS, o município tem a menor taxa de mortalidade (6,27%), em decorrência de infartos entre as 10 cidades mais populosas do Estado de São Paulo, seguido por Santo André (7,26%), Campinas (8,22%) e São Bernardo do Campo (8,58%). Sorocaba e Ribeirão Preto com população proporcional a de São José têm (11,54%) e (9,14%), respectivamente.

Caminho rápido
Nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e hospitais da Prefeitura de São José dos Campos o “fast track”, como é chamado pelos profissionais, começa pelo acolhimento. Ao chegar na unidade o paciente é avaliado pela enfermagem e encaminhado ao eletrocardiograma. Todo esse processo não pode ultrapassar 10 minutos.

Em seguida, o sistema Sprint, implantado em São José em 2019, é que dá agilidade ao processo.

De acordo com o Data SUS, o município tem a menor taxa de mortalidade (6,27%), em decorrência de infartos entre as 10 cidades mais populosas do Estado de São Paulo

De acordo com o Data SUS, o município tem a menor taxa de mortalidade (6,27%), em decorrência de infartos entre as 10 cidades mais populosas do Estado de São Paulo

Adenir Britto/PMSJC

O Sprint é um aplicativo que oferece suporte para as equipes visando diagnóstico mais rápido e escolha correta da estratégia terapêutica. Por meio de um tablete os plantonistas da unidade se comunicam quase que em tempo real com a equipe de cardiologistas do Hospital Pio XII, que é a referência SUS na área em São José e, juntos, definem o melhor procedimento. A decisão considera a condição do paciente, disponibilidade da ambulância, tempo de deslocamento, entre outros.

Quando a avaliação aponta para o cateterismo imediato, o paciente é encaminhado ao hospital dentro de um prazo de 120 minutos. Se a indicação é para medicação, esta deve ser aplicada em 30 minutos para que o paciente ganhe tempo e possa aguardar os procedimentos com segurança.

O medicamento usado, com indicação, para dar mais tempo ao paciente é o trombolítico. A Prefeitura adquiriu para todas as Unidades de Pronto Atendimento o kit com a medicação, isso contribui para um atendimento mais rápido e também amplia as chances do paciente.

Tempo é vida
A Sociedade Brasileira de Cardiologia, assim como as diretrizes de órgãos internacionais preconizam que o atendimento de infarto do miocárdio deve ser feito em até 120 minutos.

Para o médico Fernando Fonseca, gerente da UPA do Novo Horizonte e chefe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), a organização do atendimento é decisiva. Além disso, o Sprint tem proporcionado mais autonomia à enfermagem e aos médicos da unidade, o que garante efetividade ao atendimento “Eles sabem como fazer. É o dia a dia deles. Por isso, a importância de ferramentas que oferecem suporte para a tomada de decisão em tempo hábil”.

Capacitação
Para operacionalizar de forma eficiente todo o atendimento, a equipe passa por capacitação periodicamente. Durante a pandemia, os treinamentos continuam, porém online utilizando a ferramenta “paciente 360” que consiste numa plataforma de ensino de conteúdos e práticas na área de saúde.

Melhoria contínua
Sobre a evolução no atendimento, a enfermeira Luciana Santana de Souza afirma que está muito mais rápido. “Evoluiu muito. Antes não tínhamos a medicação da unidade e tudo era encaminhado para o Hospital Municipal”. Para ela, o respaldo que o Sprint oferece foi um divisor de águas no dia a dia da equipe. “É tudo muito rápido e o contato direto com o cardiologista que é um profissional que sabe lidar com a situação nos dá segurança e eles ainda tiram dúvidas. Funciona muito bem”.

Texto de Giselle Marinho

Últimas