Canadá e EUA encaram perdas em safras por falta de mão de obra estrangeira

Por Rod Nickel e Christopher Walljasper

WINNIPEG/CHICAGO (Reuters) - As quarentenas obrigatórias devido ao coronavírus podem afetar a produção de frutas e vegetais no Canadá neste ano, por falta de trabalhadores sazonais estrangeiros, enquanto questões de circulação relacionadas à pandemia também podem deixar os produtores dos Estados Unidos com menos funcionários que o normal.

A mão de obra estrangeira é fundamental para a produção agrícola de ambos os países, onde os trabalhadores domésticos evitam o duro esforço físico ligado à atividade e os baixos salários.

No Canadá, onde as fazendas dependem de 60 mil trabalhadores temporários estrangeiros, a chegada desses funcionários foi adiada por restrições fronteiriças e reduções no número de voos. Uma vez que eles chegam ao país, o governo ainda os obriga a ficar em isolamento remunerado por 14 dias.

Já nos EUA, quase 250 mil trabalhadores estrangeiros, a maior parte proveniente do México, ajudam a colher frutas e vegetais a cada ano. O Departamento de Estado norte-americano está processando vistos H-2A para fazendas com mão de obra reduzida, mas mesmo assim algumas empresas continuam com dificuldades para conseguir funcionários a tempo.

O agricultor Mike Chromczak, de Ontário, afirmou que teme não conseguir colher sua safra de aspargos no mês que vem, a não ser que seus 28 funcionários jamaicanos comecem a chegar em meados de abril. Ele estima que as perdas possam superar 50% da receita de sua fazenda.

Nos EUA, "os atrasos são potencialmente muito perigosos para os agricultores, que contavam que essa mão de obra apareceria no momento exato para a colheita", disse Dave Puglia, presidente-executivo da Western Growers Association, embora tenha acrescentado que no país os funcionários não precisam aguardar 14 dias para iniciar os trabalhos.

(Reportagem de Rod Nickel, em Winnipeg, e Chris Walljasper, em Chicago)