Economia IPC-S avança a 1,07% em dezembro e fecha ano em 5,17%, diz FGV

IPC-S avança a 1,07% em dezembro e fecha ano em 5,17%, diz FGV

Itens com maior pressão no mês passado foram conta de luz, condomínio, gasolina, faculdade e banana prata

Agência Estado - Economia
Sob pressão de tarifa de eletricidade residencial, Habitação acelerou na última semana de dezembro

Sob pressão de tarifa de eletricidade residencial, Habitação acelerou na última semana de dezembro

Marcelo Camargo / Agência Brasil

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) acelerou a 1,07% em dezembro, após 0,94% em novembro, mas desacelerou em relação à terceira quadrissemana do mês passado (1,21%). No ano, o IPC-S acumulou alta de 5,17%, maior do que a variação de 4,11% de 2019. Os dados são da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em relação aos números da terceira quadrissemana de dezembro, quatro das oito classes de despesa que compõem o indicador registraram decréscimo. A maior influência, segundo a FGV, veio do grupo Educação, Leitura e Recreação (2,19% para -0,58%), puxado pela taxa da passagem aérea, que foi de alta de 9,62% para deflação de 9,49%.

Também desaceleraram Alimentação (1,73% para 1,47%), sob influência de hortaliças e legumes (0,01% para -1,61%), Transportes (0,71% para 0,68%), com destaque para etanol (3,63% para 2,67%) e Comunicação (0,10% para 0,02%), puxado por mensalidade para internet (-0,20% para -0,40%).

No sentido oposto, aceleraram os grupos Habitação (2,28% para 2,87%), sob pressão de tarifa de eletricidade residencial (9,35% para 11,93%), Vestuário (-0,21% para 0,38%), com destaque para roupas (-0,47% para 0,35%) e Saúde e Cuidados Pessoais, sob influência de artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,10% para 0,69%).

O grupo Despesas Diversas variou positivamente em 0,22%, mesma taxa da semana anterior. As pressões mais relevantes no grupo vieram de alimentos para animais domésticos (1,67% para 2,18%), pelo sentido de alta, e serviço religioso e funerário (1,58% para 0,92%), no lado contrário.

Influências individuais

Os itens com maior pressão de elevação no IPC-S de dezembro foram tarifa de eletricidade residencial, condomínio residencial (2,07% para 3,03%), gasolina (1,24% para 0,92%), curso de ensino superior (2,26% para 2,50%) e banana prata (15,84% para 16,68%).

As maiores influências de baixa no indicador vieram de passagem aérea, tomate (-13,86% para -15,29%), transporte por aplicativo (-2,61% para -2,42%), limão (-19,84% para -15,61%) e seguro facultativo para veículo (-0,32% para -0,21%).

Últimas