Economia Peña Nieto lança projeto de US$ 10 bilhões para impulsionar setor energético

Peña Nieto lança projeto de US$ 10 bilhões para impulsionar setor energético

Cidade do México, 2 jan (EFE).- O presidente do México, Enrique Peña Nieto, lançou nesta sexta-feira (data local) um projeto para impulsionar o setor energético na região do estado de Oaxaca, no sul do país, avaliado em US$ 10 bilhões. Do total investido, US$ 6 bilhões serão aplicados na reconfiguração da refinaria de Salina Cruz, próxima ao porto de Oaxaca. O restante do dinheiro será usado para construir um gasoduto para o transporte de gás natural com origem em Jaltipan, no estado de Veracruz, no leste do país. De acordo com o presidente, as obras vão permitir o fornecimento de combustível mais barato e menos agressivo ao ambiente, proporcionando o desenvolvimento de diversas atividades econômicas na região beneficiada. "Estamos pela primeira vez introduzindo um insumo fundamental, o gás natural, para atrair outros investimentos e buscar combustíveis mais limpos que possam permitir que deixemos de usar aqueles que são altamente poluentes", destacou. O gasoduto terá uma extensão de 500 quilômetros. Com a obra, de acordo com o governo mexicano, será possível reduzir o tempo de distribuição de gás natural de 17 para seis dias, além de cortar em 550 mil toneladas as emissões de dióxido de carbono na atmosfera. Peña Nieto aproveitou a cerimônia para divulgar também o início da construção de 22 navios da empresa estatal Petróleos Mexicanos (Pemex) no porto de Santa Cruz. O investimento total será de cerca de US$ 270 milhões. Antes do início do ato oficial, foram registrados no local confrontos entre professores da Coordenação Nacional de Trabalhadores da Educação (CNTE) e agentes da Polícia Federal mexicana. De acordo com a imprensa local, os policiais tiveram que usar gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes. A CNTE, movimento dissidente do Sindicanto Nacional de Trabalahdores da Educação, protesta contra a reforma na educação realizada por Peña Nieto em fevereiro de 2013. Desde então, a entidade organizou várias manifestações para exigir a revogação das mudanças. EFE ea/lvl (foto)