Internacional Correção: primeira-dama do Haiti sobreviveu ao ataque

Correção: primeira-dama do Haiti sobreviveu ao ataque

Martine Marie Etienne Joseph Moïse, mulher do presidente Jovenel Moise, está hospitalizada e deve ser levada para outro país

  • Internacional | Do R7

Primeira-dama do Haiti morre depois de ataque a tiros

Primeira-dama do Haiti morre depois de ataque a tiros

Jeanty Junior Augustin/Reuters

A primeira-dama do Haiti, Martine Marie Etienne Joseph Moïse, foi baleada e está hospitalizada após o ataque a tiros que matou o presidente Jovenel Moise na madrugada desta quarta-feira (7).

Inicialmente, o R7 divulgou a informação que Martine não teria sobrevivido ao ferimento apesar de ter sido socorrida.

Depois do atentado da noite, Martine foi levada a um hospital da capital, mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo o primeiro-ministro do Haiti, Claude Joseph, o ataque foi feito por um grupo de indivíduos que ainda não foi identificado, mas alguns dos envolvidos estavam falando espanhol.

Joseph repudiou o "ato odioso, inumano e bárbaro" e pediu calma. "Todas as medidas para garantir a continuidade do Estado e proteger a Nação foram tomadas. A democracia e a República vão vencer", afirmou.

O país passa por uma intensa crise política e econômica. Desde 2018, milhares de haitianos marcham pelas ruas do país e pedem melhores condições de vida. Os protestos começaram depois do aumento do preço da gasolina, em 2018, e causaram a renúncia do então primeiro-ministro, Jack Guy Lafontant.

Neste ano, os protestos pediam a renúncia de Moise, um empresário do setor da banana que chegou ao cargo sem experiência política.

Últimas