Internacional França começa a julgar suspeitos seis anos após atentados de Paris

França começa a julgar suspeitos seis anos após atentados de Paris

Ataques de 2015, cujo principal ocorreu na casa de shows Bataclan, deixaram 130 mortos; Salah Abdeslam é principal acusado

Pelo menos 90 pessoas foram assassinadas dentro da casa de shows Bataclan

Pelo menos 90 pessoas foram assassinadas dentro da casa de shows Bataclan

Thomas Coex/AFP – 03.09.2021

Seis anos depois, o julgamento dos atentados terroristas de 13 de novembro de 2015, que deixaram 130 mortos, começa na próxima quarta-feira (8) em Paris, tendo Salah Abdeslam, único comandante dos ataques que sobreviveu, como principal acusado.

Do Stade de France, ao norte de Paris, às esplanadas dos bares da capital, passando pela sala de concertos Bataclan, estourou o horror das bombas e dos tiros naquela noite de outono, que continua na memória dos franceses.

Os ataques mais sangrentos desde a Segunda Guerra Mundial, que também feriram mais de 350 pessoas, representaram um novo golpe no país meses depois dos ataques de janeiro ao semanário satírico Charlie Hebdo e a um supermercado de comida israelense.

A partir de 8 de setembro e por quase nove meses, um tribunal especial vai julgar Abdeslam, um cidadão franco-marroquino, e 19 outros acusados ​​dos ataques de novembro, reivindicados pelo grupo jihadista Estado Islâmico. Catorze dos acusados ​​estarão presentes.

Abdeslam é o principal acusado do julgamento, que começa na quarta

Abdeslam é o principal acusado do julgamento, que começa na quarta

AFP PHOTO /POLICE NATIONALE

"O julgamento promete ser emocionalmente carregado, mas a justiça terá que recuar se não quiser perder de vista os princípios em que se baseia nosso estado de direito", advertiram os advogados de Abdeslam, Olivia Ronen e Martin Vettes.

Para as vítimas, das quais 300 testemunharão em setembro e outubro, o julgamento representa um "marco importante" para continuar com suas vidas, nas palavras de Arthur Dénouveaux, um sobrevivente de Bataclan e presidente da associação Life for Paris.

Os depoimentos farão com “que a humanidade entre em julgamento”, avalia Dénouveaux, para quem algumas “explosões” de emoção devem ser aceitas.

Quatro anos de pesquisa

Pouco depois das 21h do dia 13 de novembro de 2015, um terrorista suicida detonou explosivos perto do Stade de France, na cidade de Saint-Denis, bem perto de Paris, onde estava ocorrendo um amistoso de futebol entre a França e a Alemanha .

Então, no centro de Paris, dois grupos de três homens dispararam rajadas contra os terraços dos bares e atiraram nos participantes de um show no Bataclan, onde policiais lançaram um ataque após a meia-noite.

Dois terroristas fugiram. Cinco dias depois, Abdelhamid Abaaoud, chefe de operações do ataque, e seu cúmplice foram mortos durante uma operação policial em um prédio em Saint-Denis, onde se esconderam.

Enquanto a França lamentava seus mortos, fechava suas fronteiras e decretava o estado de emergência, a Justiça iniciou uma investigação em estreita colaboração com os magistrados belgas.

Quatro anos de investigação permitiram reconstituir grande parte da logística dos ataques e do percurso que os terroristas seguiram, ao longo de uma rota migratória da Síria para os seus esconderijos alugados na Bélgica e perto de Paris.

Os investigadores descobriram uma célula jihadista muito maior e também responsável pelos ataques que deixaram 32 pessoas mortas em 22 de março de 2016 no metrô e no aeroporto de Bruxelas.

"Teste de exceção"

Na ausência da principal pessoa responsável pelo ataque, o veterano jihadista Oussama Atar, e outros altos membros do Estado Islâmico, todos os olhos estarão voltados para Salah Abdeslam e Mohamed Abrini, "o homem do chapéu" dos ataques em Bruxelas.

O tribunal, que não os questionará até 2022, terá que resolver as últimas incógnitas, como o papel exato desempenhado por Abdeslam. O homem de 31 anos ficou em silêncio durante a investigação e os investigadores esperam enfrentar o silêncio dele novamente.

"Vamos garantir que este julgamento excepcional não se torne um julgamento de exceção", advertiram os advogados do franco-marroquino. Doze dos 20 réus podem pegar prisão perpétua.

Esse processo inédito, que conta com quase 1.800 civis constituídos, exigiu dois anos de preparação e a construção de um tribunal especial no tribunal de Paris.

A realização de um julgamento desse porte até o seu final, previsto para 25 de maio de 2022, representa um desafio para a instituição judiciária, em meio a uma pandemia e com alto risco de ameaça terrorista.

Mais de cem testemunhas foram convocadas para depor, incluindo muitos investigadores franceses e belgas, bem como o então presidente da França, François Hollande.

Últimas