Internacional Parentes de combatentes ucranianos de Azovstal pedem ajuda ao presidente chinês

Parentes de combatentes ucranianos de Azovstal pedem ajuda ao presidente chinês

Cerca de mil soldados ucranianos permanecem nas galerias subterrâneas da siderúrgica; a China se negou até o momento a condenar a guerra

AFP
Familiares dos combatentes acreditam que Putin ouviria apelo do presidente  chinês Xi Jinping

Familiares dos combatentes acreditam que Putin ouviria apelo do presidente chinês Xi Jinping

Alexei Druzhinin/Sputnik/AFP - 4.2.2022

Os parentes dos combatentes ucranianos bloqueados na siderúrgica Azovstal, o último local de resistência às forças russas no porto estratégico de Mariupol, fizeram um apelo neste sábado ao presidente chinês Xi Jinping e pediram ajuda para a retirada de todos do local.

"Há uma pessoa no mundo para a qual Putin teria dificuldade em dizer não. Confiamos que a China, forte e nobre, possa tomar decisões difíceis por uma boa causa", afirmou Natalia Zarytska, esposa de um combatente, em uma entrevista coletiva em Kiev. 

"Pedimos a Sua Excelência, o presidente chinês Xi Jinping, que mostre a grande sabedoria oriental e a trabalhe para salvar os defensores de Mariupol", acrescentou, em uma sala com uma foto do líder chinês. 

Citando mensagens enviadas por seu marido, ela afirmou que os russos estão adiando deliberadamente as coisas, para prolongar a "tortura" dos combatentes. 

Quase mil soldados ucranianos permanecem nas galerias subterrâneas da imensa siderúrgica.

Um dos comandantes afirmou que quase 600 estão feridos e são "alvo de todo tipo de armas disparadas por terra, ar e mar, inclusive proibidas. Não é guerra, é um massacre", disse a mesma fonte.

A China se negou até o momento a condenar a guerra.

Os familiares e alguns combatentes de Azovstal já pediram a ajuda da Turquia, Estados Unidos e agora da China.

Últimas