Família procura, há 1 mês, homem que desapareceu ao sair da prisão

Vanderlúcio Custódio Baeta, de 43 anos, desapareceu após ser solto do Ceresp Gameleira, na região Oeste de BH; familiares estão desesperados 

Vanderlúcio foi preso após brigar com o irmão

Vanderlúcio foi preso após brigar com o irmão

Reprodução/RecordTV Minas

Familiares estão à procura de um homem, de 43 anos, que desapareceu após deixar o Ceresp (Centro de Remanejamento do Sistema Prisional) Gameleira, na região Oeste de Belo Horizonte. Vanderlúcio Custódio Baeta está desaparecido há um mês.

Segundo os familiares, Custódio, que é trabalhador rural, deu entrada no Ceresp no dia 16 de julho, após se envolver em uma briga com um dos irmãos na cidade de Rio Manso, a 80 km de Belo Horizonte, onde trabalha na zona rural da cidade e mora com mãe, que é idosa e acamada.

Ainda segundo a família, Custódio ficou preso até 20 de julho, quando recebeu o alvará de soltura.

— Na segunda-feira, 20 de julho, nós pagamos a fiança e, quando liberou o alvará, a gente veio buscar ele. Às 23 horas ele já tinha saido, então eu perguntei na portaria e eles me falaram que às 22h30 liberaram ele. 

Segundo a irmã, Custódio tem epilepsia e toma medicamentos controlados.

— Quando ele não toma remédio, ele fica descontrolado. Eu imagino, por ele não estar tomando o remédio, possa estar em surto. Então ele não vai saber nem onde está.

Sem notícias

De acordo com os familiares, os parentes estão desesperados, pois estão sem notícias do homem há mais de um mês. Segundo a irmã, ela afirma que já procuraram por toda a capital mineira e espalharam 1.000 cartazes no centro e nos bairros.

— Não tem contato nenhum. Ninguém liga, avisa, nada. A gente não tem notícia nenhuma. Ele pode estar diferente hoje, possa estar com barba, sujo, porque foi no dia 20 de julho que ele desapareceu. 

A irmã ainda conta que não acredita que Custódio tenha fugido. Ela diz que está preocupada com a saúde do irmão. 

— A gente já está com muito medo de que possa ter acontecido uma outra coisa. Encarecidamente eu peço que quem for mãe, quem tem irmão e quem tem família, que pelo amor de Deus, onde vocês verem ele, liguem para a gente. Nós estamos desesperados. Imagina a dor de uma família, de uma mãe acamada que chama o filho todos os dias e que pergunta onde o filho está.

Procura

A Polícia Civil informou que um boletim de ocorrência foi registrado e a corporação procura por ele. Ainda resaltou que quem tiver alguma informação sobre o paradeiro do homem, basta ligar para o disque denúncia, pelo número 181. 

*Estagiário do R7 sob supervisão de Lucas Pavanelli