Minas Gerais Órgãos tentam impedir trânsito de caminhões pesados no Rola Moça

Órgãos tentam impedir trânsito de caminhões pesados no Rola Moça

Veículos utilizados por mineradora que atua na região podem afetar a conservação ambiental, dizem procurador e promotor

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Mina fica em região próxima ao Rola Moça

Mina fica em região próxima ao Rola Moça

Reprodução/Google Street View

Os Ministérios Públicos Federal e de Minas Gerais pediram à Justiça, nesta quinta-feira (6), para suspender o trânsito de caminhões pesados de uma mineradora nas estradas que cortam o Parte Estadual do Rola Moça, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O documento destaca que o trâfego dos veículos no local pode afetar a conservação ambiental do parque. O parecer assinado pelo procurador Patrick Salgado e pelo Promotor Felipe Faria de Oliveira informa que moradores relataram aos órgãos o risco que os caminhões provocam ao transitar carregados pela estrada sinuosa.

Os representantes do MPMG e do MPF ainda lembram que o Plano de Manejo do Parque Estadual indica que a passagem de caminhões pesados pelo local "gera o levantamento de muita poeira e aumenta o risco de acidentes, atropelamento de fauna e de visitantes do parque".

Os veículos questionados carregam materiais retirados da Mina Casa Branca, em Brumadinho, na Grande BH, administrada pela MGB (Mineração Geral do Brasil). A empresa conseguiu na Justiça Federal uma liminar para atuar na mina, alegando necessidade de fazer obras de intervenção para evitar o rompimento da barragem que estava em nível de alerta. Agora, a empresa segue com o processo de descaracterização da estrutura, ou seja, o desmonte do reservatório.

No último dia 20 de abril, o MPF recorreu à Justiça para suspender a operação da mineradora na Mina Casa Branca. Segundo os procuradores, o serviço emergencial já foi concluído e, assim, a empresa poderia aguardar o Governo Estadual analisar se vai licenciar ou não a empresa. A solicitação ainda não teve retorno.

A reportagem procurou a MGB para comentar sobre a situação dos veículos no local, mas aguarda retorno.

Últimas