E-commerce deve faturar R$ 3,67 bilhões com Black Friday

Mais de R$ 89 milhões serão movimentados em Pernambuco. Recife é a cidade com maior expectativa de faturamento do Estado

Mais de R$ 89 milhões serão movimentados em Pernambuco. Recife é a cidade com maior expectativa de faturamento do Estado

Mais de R$ 89 milhões serão movimentados em Pernambuco. Recife é a cidade com maior expectativa de faturamento do Estado

Folha de Pernambuco

A Black Friday deste ano, marcada para o próximo dia 29, deve movimentar R$ 3,67 bilhões no comércio eletrônico de acordo com a estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O faturamento da Região Nordeste, segundo a organização oficial do evento (www.blackfriday.com.br), deve ultrapassar os R$ 445 milhões. Do total nacional, mais de R$ 89 milhões (2%) serão movimentados em Pernambuco. No Recife, a estimativa é de vender mais de R$ 44 milhões.

A Black Friday já se consolidou como o dia mais importante para o comércio eletrônico nacional e já é a quinta data mais importante do comércio varejista no Brasil, acima da Páscoa e do Dia dos Namorados. Está atrás apenas do Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças e Dia dos Pais, respectivamente. A região sudeste continua sendo a responsável pelo maior rendimento em números absolutos na Black Friday, com 59% do total do evento. Seguida pelo Sul (16%), Nordeste (14%), Centro Oeste (8%), e Norte (3%).

“Existem alguns fatores a mais este ano que fazem com que a gente projete esse crescimento. Em primeiro lugar, a inflação de um modo geral está muito baixa. É a menor inflação em 21 anos e isso ajuda o varejo a recuperar sua capacidade de venda. O segundo ponto é o que está acontecendo no mercado de crédito. Embora as taxas de juros que o consumidor lida ao comprar um produto à prazo no varejo tenha caído tanto nos últimos anos, os prazos ficaram maiores. Fica menos pesado e o consumidor acaba se encorajando em comprar. Em terceiro lugar, temos a liberação de recursos do FGTS para injetar um pouco mais recursos na economia, especialmente no consumo. Esses três fatores somados com a tendência do varejo eletrônico de crescer mais que o varejo tradicional fazem com que a Black Friday apresente crescimento maior do que todas as datas comemorativas que a gente teve até agora em 2019”, explica o economista da CNC, Fábio Bentes.

Entre os produtos que possuem maior intenção de compra em 2019, o principal item de desejo dos consumidores são os smartphones (37%), seguidos dos eletrodomésticos (36%), televisores (29%), itens de Informática (24%), além de móveis e decoração (22%). Segundo a CNC, o faturamento de eletroeletrônicos e de utilidades domésticas deve chegar a R$ 929,4 milhões. Em seguida, estão os hipermercados e supermercados (R$ 899,3 milhões) e o setor de móveis e eletrodomésticos (R$ 845,5 milhões).