Operação desarticula quadrilha suspeita de tráfico e homicídios no Estado

De acordo com a polícia, os crimes eram praticados em Paulista, Abreu e Lima, Igarassu e Buenos Aires

De acordo com a polícia, os crimes eram praticados em Paulista, Abreu e Lima, Igarassu e Buenos Aires

De acordo com a polícia, os crimes eram praticados em Paulista, Abreu e Lima, Igarassu e Buenos Aires

Folha de Pernambuco

A operação Conexão Norte, deflagrada pela Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) na manhã desta quarta-feira (18), teve como objetivo desarticular uma organização criminosa responsável por cometer crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e homicídios. De acordo com a polícia, os crimes eram praticados em Paulista, Abreu e Lima e Igarassu, na Região Metropolitana do Recife, e em Buenos Aires, na Zona da Mata Norte do Estado.

Foram cumpridos onze mandados de prisão e treze mandados de busca e apreensão, nos quais foram apreendidas armas e drogas. As investigações, que começaram em agosto, apontaram a participação de agente públicos nas ações. Dos onze alvos dos mandados de prisão expedidos, dois eram pessoas que já estavam presas e atuavam de dentro de unidades prisionais.

Leia também:
Governo anuncia queda em crimes violentos no estado de Pernambuco
Número de roubos em Pernambuco é o menor dos últimos 59 meses

Segundo a Diretoria Integrada Metropolitana (DIM) da Polícia Civil, o líder da organização criminosa comandava as ações da quadrilha de dentro do presídio de Igarassu é um familiar, que realizava visitas no presídio e transmitia as informações para os outros alvos.

De acordo com o delegado da DIM, Ivaldo Pereira, a organização foi desarticulada por completo, no entanto há investigações em curso sobre os crimes que podem ter sido cometidos pelos alvos da Conexão Norte. “Durante a fase ostensiva da operação, na qual buscamos provas para materializar nossas investigações, detectamos a participação de um funcionário público e de um empregado de uma empresa de atuação relevante na região metropolitana nos crimes cometidos. As investigações devem continuar para que possamos detectar eventuais ramificações da organização”, afirmou o delegado.

Na operação, foram empregados 80 agentes da PCPE. Mais detalhes sobre a atuação da quadrilha serão divulgados em uma entrevista coletiva de imprensa que será realizada nesta quinta-feira (18).