'Revoredo': uma década e meia de chão e coroação da liberdade

Pernambucano Alexandre Revoredo lançou, nas plataformas digitais, seu primeiro álbum em 15 anos de carreira

Pernambucano Alexandre Revoredo lançou, nas plataformas digitais, seu primeiro álbum em 15 anos de carreira

Pernambucano Alexandre Revoredo lançou, nas plataformas digitais, seu primeiro álbum em 15 anos de carreira

Folha de Pernambuco

Havia um cantarolar de pássaros ao fundo, pungentes pela liberdade de voar em seu próprio território. "Todos são livres e por aqui tem uma árvore grande na frente", apressou-se em dizer o artista pernambucano Alexandre Revoredo, em conversa por telefone com a Folha de Pernambuco, de sua casa em Garanhuns, no Agreste. 

A prosa era para falar sobre o disco de estreia, "Revoredo", lançado recentemente nas plataformas digitais, o primeiro em pouco mais de dez anos de uma estrada permeada por composições, versos e poesias, compilados agora em onze faixas que o alforriam para viver com independência em seu próprio chão.

Leia também:

Inscrições para Funcultura da Música são prorrogadas para junho 

Discos para movimentar os ouvidos e o coração

Filipe Catto fala sobre música e viagem

"O disco é mesmo uma amostra de toda essa bagagem e do meu amadurecimento como compositor e poeta. É uma construção de uma carreira desde sempre dedicada à Música Popular Brasileira, por quem me influencio. É também um sonho para um artista independente circular com seu trabalho, sua banda, nos espaços de seu Estado", confessa ele, que, neste sábado às 20h, em seu perfil no Instagram (@revoredo_oficial), faz apresentação em live para lançar o álbum de uma forma mais próxima ao público, ao menos virtualmente, já que o show físico para mostrar, em palco, o disco, foi frustrado pela pandemia do coronavírus.

Com direção musical de Juliano Holanda, com o qual também divide canções, "Revoredo" - que ganhou incentivo do Funcultura da Música - também chega com participações e parcerias de Marcello Rangel, que assina junto com ele "Acetona", uma espécie de carro-chefe do disco, e com Gabi da Pele Preta, a quem ele conheceu "em uma farra de samba, numa canja em um bar de Caruaru", ele interpreta "Andor". Outros nomes de uma geração incontestável da cena pernambucana integram o elenco do disco, que transita com requinte e delicadeza entre letras que trazem a saudade, o amor, a natureza e o sagrado como essências.

"Eu havia pensado em um álbum com uma base do samba, mas a estética mudou, as parcerias vieram e o trabalho tomou outra forma. O que antes sairia como um EP de quatro faixas, se transformou em um trabalho completo e com parcerias das mais felizes", conta Alexandre Revoredo, que, com liberdade e como dono de suas próprias andanças, passará, no segundo semestre, por palcos Pernambuco afora.

Serviço:
Live de lançamento do disco “Revoredo”, c
om Alexandre Revoredo
Sábado (4), 20h, no perfil @revoredo_oficial no Instagram
Acesso gratuito com contribuição consciente