Christina Lemos Senadores monitoram Aras sobre pedidos da CPI contra Bolsonaro

Senadores monitoram Aras sobre pedidos da CPI contra Bolsonaro

Procurador, que almeja vaga no STF, anuncia até a semana que vem se recomenda a abertura de inquérito contra Bolsonaro

O procurador-geral Augusto Aras: contagem regressiva para se manifestar sobre nove acusações a Bolsonaro

O procurador-geral Augusto Aras: contagem regressiva para se manifestar sobre nove acusações a Bolsonaro

Jefferson Rudy/Agência Senado - 24.08.2021

O procurador-geral da República, Augusto Aras, entrou em uma espécie de contagem regressiva e é monitorado de perto pelos senadores que há pouco menos de um mês entregaram em suas mãos o relatório da CPI da Pandemia. Com a sabatina de André Mendonça, indicado ao STF, agora liberada pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Davi Alcolumbre, Aras alimenta as chances de se tornar ministro da Corte caso haja a rejeição do nome do ex-ministro. O fator tende a modular a decisão de Aras.

O próprio Aras declarou aos senadores da CPI que decidiria sobre a eventual recomendação de abertura de inquérito contra Bolsonaro dentro de um mês a contar da data de entrega, para sinalizar que não engavetaria o tema. O prazo fixado pelo procurador-geral termina neste sábado. A expectativa agora é que Aras adie a manifestação da Procuradoria, no aguardo da definição do Senado sobre o destino de Mendonça. A sabatina do indicado de Bolsonaro na CCJ está prevista agora para a semana que vem, após mais de quatro meses de bloqueio político. 

O ex-ministro não tem garantia de vencer na CCJ nem no plenário do Senado, que avaliza as indicações do presidente da República ao STF. Todavia, uma eventual rejeição do plenário – instância final – não tem precedentes na Casa. 

Bolsonaro foi indiciado por nove crimes na CPI da Pandemia. Uma das alternativas do procurador seria pedir que os indícios levantados pelos senadores sejam anexados à investigação já em andamento em inquérito aberto no STF, relatado pela ministra Rosa Weber, que apura prevaricação no caso da compra de vacinas contra o coronavírus.

Últimas