Luiz Fara Monteiro Delta projeta lucros em 2022, apesar de prejuízos com a Ômicron

Delta projeta lucros em 2022, apesar de prejuízos com a Ômicron

Companhia divulgou lucros trimestrais mais altos devido à forte demanda por viagens de férias e previu rápida recuperação da turbulência causada pela variante

Delta Airlines: lucro para 2022, apesar da Ômicron

Delta Airlines: lucro para 2022, apesar da Ômicron

Airbus - Divulgação

A Delta Air Lines divulgou nesta quinta-feira lucros trimestrais mais altos devido à forte demanda por viagens de férias e previu uma rápida recuperação da turbulência causada pela variante do coronavírus Ômicron, elevando suas ações.

A empresa, informa a Reuters, disse que o aumento dos casos de COVID-19 provavelmente resultará em perdas em janeiro e fevereiro, resultando em uma perda no trimestre até março. Mas espera que a recuperação da demanda de viagens seja retomada no final de fevereiro, colocando a transportadora em condições de gerar lucro nos trimestres de junho, setembro e dezembro.

No geral, espera um lucro "significativo" em 2022 e apoiou sua meta de superar o desempenho financeiro pré-pandemia da empresa até 2024.

"Se pudéssemos escolher um período de tempo para uma variante Ômicron surgir, provavelmente escolheríamos esta época do ano", disse o presidente da Delta, Glen Hauenstein, a investidores em uma ligação.

A demanda por viagens aéreas tende a ser a mais fraca no primeiro trimestre.

A empresa disse que as reservas para viagens internacionais caíram, mas a Delta acredita que o mercado transatlântico terá uma forte primavera e verão assim que as restrições de fronteira impostas pela Ômicron forem levantadas.

O presidente-executivo, Ed Bastian, espera que as viagens de negócios aumentem em meados de fevereiro.

O lucro ajustado da operadora com sede em Atlanta no trimestre até dezembro foi de 22 centavos por ação, superando a estimativa média dos analistas de 14 centavos por ação, de acordo com dados do IBES da Refinitiv, marcando o segundo trimestre lucrativo consecutivo.

A empresa estima que a receita no trimestre de março se recuperará para 72% a 76% dos níveis de 2019. Ela espera restaurar de 83% a 85% da capacidade pré-pandemia no trimestre atual.

Suas despesas de capital no trimestre devem aumentar cerca de 69% em relação ao trimestre de dezembro, para US$ 1,6 bilhão.

Peter McNally, líder global do setor industrial, materiais e energia da empresa de pesquisa Third Bridge, disse que a companhia aérea está "administrando bem", apesar dos desafios enfrentados pelo setor.

As ações da Delta subiram 3,4%, a US$ 41,98 nas negociações do meio-dia.

INTERRUPÇÕES OPERACIONAIS

Um aumento nos casos de COVID-19, impulsionado pela variante Ômicron, causou estragos no setor aéreo. Um aumento nas ligações diárias de funcionários doentes, bem como uma série de tempestades de inverno levaram a cancelamentos em massa de voos.

Desde a véspera de Natal, as companhias aéreas dos EUA cancelaram mais de 31.300 voos, ou cerca de 7% do total programado, segundo o serviço de rastreamento de voos FlightAware.

A Delta teve que cancelar mais de 2.000 voos. A companhia aérea, contudo, disse que sua operação se estabilizou na semana passada, com cancelamentos caindo para menos de 20 voos por dia.

No entanto, as interrupções operacionais são projetadas para aumentar as pressões de custo no trimestre atual.

Bastian disse que 8.000 funcionários da Delta contraíram o vírus desde que o Ômicron se tornou a variante dominante. A contagem de casos, todavia, diminuiu na última semana, disse ele.

"Temos mais e mais pessoas voltando à operação do que novas pessoas sendo afetadas pelo vírus", disse ele à Reuters em entrevista.

Bastian disse que o governo dos EUA encurtando as diretrizes de quarentena para cinco dias ajudou a tirar as pessoas do isolamento e voltar ao trabalho. Ele disse que a empresa está incentivando seus funcionários no quinto dia a fazer o teste e não voltar até que estejam confiantes de que estão bem.

Últimas