R7 Planalto Congressistas ingressam com ação popular para barrar ato militar

Congressistas ingressam com ação popular para barrar ato militar

senador Alessandro Vieira e a deputada federal Tabata Amaral são contrários ao evento programado para terça-feira (10)

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7

Operação reúne cerca 1.900 militares em Formosa

Operação reúne cerca 1.900 militares em Formosa

Reprodução Marinha do Brasil

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e a deputada federal Tabata Amaral (sem partido-SP) acionaram a Justiça com uma ação popular para tentar barrar o comboio militar com tanques, blindados e soldados, programado para terça-feira (10) na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

"É um absurdo gastar recursos públicos em uma exibição vazia de poderio militar. As Forças Armadas, instituições de Estado, não precisam disso. Os brasileiros, sofrendo com as consequências da pandemia, também não precisam. O Brasil não é um brinquedo à disposição de lunáticos", afirmou Vieira.

Segundo Tabata, "celebrações militares e desfiles de blindados ocorrem de uma forma cotidiano na agenda das Três Armas. Mas isso não deve ser usado como desculpa para que o presidente coloque na rua suas ideias autoritárias. O Brasil é maior do que o Bolsonaro e é importante que as autoridades públicas, inclusive as Forças Armadas, deixem isso claro nesse momento.”

Operação Formosa

A Operação Formosa, realizada desde 1988, é o maior treinamento militar da Marinha do Brasil no Planalto. Neste ano, a ação contará, pela primeira vez, com a participação da Força Aérea Brasileira e do Exército Brasileiro. A chegada da operação à capital federal coincide com a discussão na Câmara dos Deputados do voto impresso, que deve ocorrer nesta terça-feira (10).

O evento de demonstração da operação a autoridades, a chamada "Demonstração Operativa" irá acontecer em uma semana, na segunda-feira (16), e parte do comboio com blindados, armamentos e outros meios da Força irá nesta terça-feira (10) ao Palácio do Planalto entregar em mãos os convites da demonstração ao presidente da República, Jair Bolsonaro, e ao ministro da Defesa, Braga Netto.

A entrega pessoal e com uso de parte do comboio está sendo vista como uma tentativa de demonstração de força do presidente após uma semana conturbada de ataques ao Judiciário, em função da discussão do voto impresso.

De acordo com a Marinha do Brasil, o objetivo da Operação Formosa é "assegurar o preparo do Corpo de Fuzileiros Navais como força estratégica, de pronto emprego e de caráter anfíbio e expedicionário, conforme previsto na Estratégia Nacional de Defesa".

Últimas