Celebridades ganham seguidores depois da morte

 Gugu Liberato, Chadwick Boseman e Gabriel Diniz estão na lista. Mas, antes de homenagear quem já morreu é preciso valorizar quem ainda está vivo

Depois de mortos, seguidores e homenagens. Diversas pessoas, após morrerem, ganham milhares de seguidores nas redes sociais. Chadwick Boseman, por exemplo, ganhou mais de 4 milhões de seguidores no Instagram três dias depois de sua morte. Além disso, as interações no perfil do ator deram um salto e registraram alta de mais de 180%.  

O perfil oficial de Gugu Liberato no Instagram ganhou mais de um milhão de seguidores após o anúncio da morte do apresentador. O mesmo aconteceu após a notícia do falecimento do cantor Gabriel Diniz.

Isso me faz questionar sobre qual o objetivo de seguir alguém depois que sua morte foi anunciada?

Após morte, o ator Chadwick Boseman ganhou mais de 4 milhões de seguidores no Instagram

Após morte, o ator Chadwick Boseman ganhou mais de 4 milhões de seguidores no Instagram

Divulgação

Há outra atitude bem mórbida: fingir-se de morto para ganhar curtidas e seguidores. Segundo uma reportagem do Engadget há quem peça para pessoas deixarem comentários como "RIP" (descanse em paz, em inglês) em seu post mais recente, sugerindo que ele, ou ela, acabara de morrer. O objetivo é fazer o perfil "bombar".

Respeito em vida

Também precisamos refletir sobre as declarações. Tenho observado nas redes sociais muitas publicações com homenagens às pessoas que faleceram, desde parentes, amigos até celebridades. Eu sei que esse tipo de manifestação, para muitos, é uma forma de tentar amenizar a saudade, mas a verdade é que homenagem mesmo se faz quando a pessoa está viva...

Quando se trata de quem se convive, de que adianta escrever um texto bonito se quando a pessoa estava viva sequer ganhava uma ligação, uma mensagem?

Já vi pessoas próximas não quererem saber umas das outras, se tratarem mal, mas, depois da morte, postarem frases como “fulano, você fará falta”, “fulana, sempre te amei, minha vida não será mais a mesma” etc.

O que seria isso senão hipocrisia? Só que a verdade é que depois que morre, não adianta esse mimimi! Tudo o que as pessoas merecem ouvir e receber pelo que são e contribuem deve ser demonstrado em vida.

Mas, como mudar isso se há parentes que só se veem em funerais? Há um tempo fui num velório que mais pareceu um evento de reencontro. O que me fez pensar: Estamos deixando de nos valorizar em vida. 

Se você não quer manter contato com determinada pessoa... Até aí tudo bem. Mas, não cultivar a relação e, depois da morte, fazer mil homenagens é "demais". Por isso, valorize, perdoe, abrace, agradeça quem você ama.

Se puder o faça ainda hoje, pois o amanhã pode não chegar. Afinal, a vida é um sopro. Outro dia ouvi uma frase que levo comigo: "Devemos sempre deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que vamos vê-las."

Últimas