Rio de Janeiro Idosa é resgatada em condições análogas à escravidão no Rio

Idosa é resgatada em condições análogas à escravidão no Rio

Segundo o Ministério Público do Trabalho, mulher trabalhou por 41 anos em casa na zona norte sem receber salário e ter férias

Uma idosa de 63 anos que viveu em situação análoga à escravidão por 41 anos foi resgatada por agentes do MPT (Ministério Público do Trabalho) e da PF (Polícia Federal) em uma casa no bairro da Abolição, na zona norte do Rio de Janeiro, na segunda-feira (25). A informação foi divulgada nesta quinta (28) no Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo.

Mulher foi resgatada na segunda (25)

Mulher foi resgatada na segunda (25)

Reprodução

A mulher contou que nasceu em São Paulo e trabalhava para a família desde quando tinha 22 anos. Segundo o MPT, o vínculo empregatício da mulher nunca foi registrado na carteira de trabalho dela. Por isso, a vítima não recebia salário e não tinha direito a férias.

Leia também: Rio: Polícia realiza operação contra seguranças da milícia de Ecko

Ainda segundo o MPT, a empregada relatou que recolhia latinhas na rua e entregava o dinheiro da venda para a patroa. Além disso, a mulher afirmou que o médico da família a diagnosticou com covid-19, mas não foi realizado nenhum teste clínico.

A PF informou que vai instaurar um inquérito para apurar o caso. Os empregadores da idosa responderão em liberdade.

A ação ocorreu no âmbito da Operação Resgate, a maior força-tarefa já realizada no país para libertar trabalhadores submetidos a trabalhos análogos à escravidão. A PF informou que cerca de 140 pessoas já foram resgatadas na ação.

Mais de 500 agentes entre policiais federais, auditores fiscais do trabalho, procuradores do trabalho e agentes de segurança institucional participam da operação, que continua em andamento.

Leia também: RJ: Análise identifica geosmina na água fornecida pela Cedae

*Estagiária do R7, sob supervisão de

Últimas