Doenças aedes

Saúde Fiocruz descobre que pernilongo pode transmitir vírus zika

Fiocruz descobre que pernilongo pode transmitir vírus zika

Pesquisadores descobriram que vírus consegue alcançar a glândula salivar do animal

  • Saúde | Da Agência Brasil

Pernilongo pode ser um dos transmissores do vírus zika, segundo a pesquisa da Fiocruz

Pernilongo pode ser um dos transmissores do vírus zika, segundo a pesquisa da Fiocruz

GettyImages

O genoma do vírus zika, coletado no organismo de mosquitos do gênero Culex, foi sequenciado por cientistas da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) em Pernambuco. Com o sequenciamento, foi descoberto que o vírus consegue alcançar a glândula salivar do animal, o que indicaria, segundo a instituição, que o pernilongo pode ser um dos transmissores do vírus zika.

Os resultados foram publicados nesta quarta-feira (9) na revista Emerging microbes & infections, do grupo Nature. O artigo é intitulado "Zika virus replication in the mosquito Culex quinquefasciatus in Brazil” e pode ser encontrado na íntegra na internet.

Os mosquitos do gênero Culex foram colhidos na região metropolitana do Recife, já infectados. A equipe do Departamento de Entomologia da instituição conseguiu, então, comprovar em laboratório que o vírus consegue se replicar dentro do mosquito e chegar até a glândula salivar. Foi fotografado por microscopia eletrônica, também pela primeira vez, a formação de partículas virais do zika na glândula do inseto.

Chineses desenvolvem molécula que bloqueia entrada do zika nas células

Em artigo, pesquisadores apontam dificuldade em prever novos surtos de zika

Também foi comprovada a presença de partículas do vírus na saliva expelida do Culex, coletadas pelos cientistas. De acordo com a Fiocruz, o artigo “demonstra” a possibilidade de transmissão do vírus zika por meio do pernilongo na cidade. Será analisado agora “o conjunto de suas características fisiológicas e comportamentais, no ambiente natural, para entender o papel e a importância dessa espécie na transmissão do vírus zika”, como informou a instituição em seu comunicado.

O genoma do zika já havia sido sequenciado em 2016 pelo Departamento de Virologia e Terapia Experimental da Fiocruz Pernambuco, em parceria com pesquisadores da Universidade de Glasgow, mas na ocasião foi usada uma amostra humana. Esse sequenciamento é uma espécie de mapa de cada gene que forma o DNA do vírus. Agora, pela primeira vez no mundo, o mapeamento é feito a partir do mosquito.

Mais detalhes serão concedidos à imprensa nesta tarde, na sede da Fiocruz Pernambuco, no Recife.

Vacina contra a zika

Em julho foi divulgado um estudo que a vacina contra zika desenvolvida no Instituto Evandro Chagas no Pará demonstrou ser eficaz em testes de camundongos. O imunizante desenvolvido pela instituição impede a infecção pelo vírus em fêmeas e em seus embriões. Publicado na revista científica Cell, o resultado abre caminho para os testes do imunizante em humanos.

Últimas