Tecnologia e Ciência Moscou estreia pagamento de metrô com identificação facial

Moscou estreia pagamento de metrô com identificação facial

Passageiros deverão se inscrever voluntariamente no programa, que vai usar câmera instalada nas catracas

Reuters
Programa será instalado em 240 estações no metrô da capital russa

Programa será instalado em 240 estações no metrô da capital russa

Shamil Zhumatov / Reuters - Arquivo

A rede de metrô de Moscou lançou na sexta-feira (15) um sistema de pagamento de passagens que usa tecnologia de reconhecimento facial em mais de 240 estações, uma iniciativa que as autoridades disseram ser a primeira do tipo no mundo.

Leia também: EUA: estrangeiros vacinados podem entrar a partir de 8 de novembro

Moscou, com 12,7 milhões de habitantes, tem um dos maiores sistemas de videovigilância do mundo. O reconhecimento facial já havia sido usado para impor quarentenas durante a pandemia e os manifestantes presentes em comícios políticos disseram que a polícia o empregou para fazer prisões e detenções preventivas.

"Moscou é a primeira cidade no mundo onde esse sistema opera em tal escala", disse Maxim Liksutov, chefe do departamento de transportes da capital russa, em comunicado.

Liksutov disse que o uso do Face Pay é voluntário e que outros métodos de pagamento continuam disponíveis.

Para utilizar o sistema, os passageiros devem enviar sua foto e vinculá-la aos cartões de transporte e banco no aplicativo do metrô de Moscou. Para usar o metrô, os passageiros registrados no Face Pay devem olhar para uma câmera instalada na catraca.

O departamento de transporte da cidade disse que os dados dos passageiros seriam criptografados com segurança. Grupos de direitos digitais, no entanto, dizem que o sistema pode minar a privacidade e os direitos humanos.

Roskomsvoboda, um grupo dedicado a proteger os direitos digitais e a liberdade de informação, advertiu que o Face Pay pode ser usado para fins de vigilância.

A prefeitura de Moscou implementou um sistema de reconhecimento facial no metrô para detectar criminosos procurados em 2018, quando a Rússia sediou a Copa do Mundo.

Últimas