América Latina promete combater fome e obesidade em reunião da ONU

Esforços para combater a fome vão ter como foco o “corredor seco” da América Central

Governos de países da América Latina buscam reduzir a fome
Governos de países da América Latina buscam reduzir a fome Agência Estado

Governos da América Latina prometeram trabalhar para terminar com a fome dentro de uma década e ao mesmo tempo combater na região um aumento epidêmico de obesidade, considerada uma forma de má nutrição.

Numa reunião regional da agência das Nações Unidas para agricultura e alimentação (FAO), representantes de governos da América Latina e do Caribe traçaram planos para acelerar a redução da fome, que diminuiu pela metade na região nos últimos 25 anos.

Ao mesmo tempo, é necessário prestar muito mais atenção ao combate da obesidade, particularmente entre mulheres, numa região onde quase um quarto de todos os adultos é formado por obesos, disse a FAO.

"Países têm sido muito claros: a prioridade regional é erradicar a fome até 2025”, afirmou José Graziano da Silva, chefe da FAO, na reunião na Cidade do México, terminada na quinta-feira.

América Latina vive um “retrocesso em matéria de direitos humanos”, diz Anistia Internacional

Esforços para combater a fome vão ter como foco o “corredor seco” da América Central, que atravessa Guatemala, El Salvador e Honduras, onde milhões de pessoas têm sido afetadas por uma seca prolongada, agravada pelas mudanças climáticas.

"Hoje, mudanças climáticas tornam essas secas mais erráticas, prolongadas e imprevisíveis”, afirmou Graziano.

Segundo ele, a América Latina e o Caribe podem ser a primeira região a conseguir dois dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, erradicando fome e pobreza, cinco anos antes de 2030, prazo dado como meta.

Conheça o R7 Play e assista a todos os programas da Record na íntegra!