Internacional

24/1/2013 às 06h56 (Atualizado em 24/1/2013 às 12h27)

Justiça autoriza casamento de jovem com assassino de sua irmã gêmea

O casamento havia sido suspendido a pedido da mãe da argentina

EFE

A juíza autorizou o enlace civil após realizar estudos psicológicos em Edith Casas (foto), de 22 anos, noiva de Víctor Cingolani, que cumpre pena por seu envolvimento na morte de Johana Casas. Reprodução/clarin.com

A Justiça argentina autorizou o casamento de uma jovem com um homem sentenciado a 13 anos de prisão pela participação no assassinato de sua irmã gêmea em 2010.

A juíza Gabriela Zapata, da cidade de Pico Truncado (a 1.572 km de Buenos Aires), autorizou o enlace civil após realizar estudos psicológicos em Edith Casas, de 22 anos, noiva de Víctor Cingolani, que cumpre pena por seu envolvimento na morte de Johana Casas.

A mesma juíza havia suspendido o casamento no mês passado após uma apresentação judicial dos pais da jovem, que se opõem ao casamento.

Veja as fotos dos três envolvidos no caso

Jovem argentina irá se casar com assassino de sua irmã gêmea

"Não vou me casar com um assassino, mas com o homem que eu amo", diz argentina

Fontes judiciais citadas pela imprensa local indicam que os estudos realizados em Edith determinaram que a moça "não apresenta disfunção psicológica ou mental que lhe impeça de contrair matrimônio".

"Acho que já não posso fazer nada", disse hoje a mãe da moça, Marcelina Orellana, em entrevista à agência oficial Télam.

Ao solicitar em dezembro à Justiça que impedisse o casamento, a mãe de Edith tinha assegurado que sua filha não se encontrava "no pleno uso de suas faculdades", que estava "privada de sua razão e pondo em risco sua integridade física e psíquica".

Britânica congela até a morte após sair de festa na Inglaterra

Americana é suspeita de sequestrar menino de 13 anos e fazer sexo com ele

Durante o julgamento que se seguiu pelo assassinato de sua irmã gêmea, Edith acusou seu futuro marido de tê-la violentado em reiteradas oportunidades, mas depois disse à imprensa local que fez isso "por pressões de sua família".

Cingolani foi considerado partícipe no homicídio da modelo Johana Casas, de 20 anos, assassinada com dois tiros em 2010, e condenado a 13 anos de prisão em junho do ano passado.

O homem, que cumpre sua pena em uma prisão de Pico Truncado, garante ser inocente na morte da jovem, que também foi sua namorada.

Marcelina Orellana disse à agência Télam que há dois meses não fala com sua filha, que, apontou, "foi embora de casa e vive com a família do assassino de sua irmã".

O que acontece no mundo passa por aqui

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!