Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Alckmin anuncia Tatiana Prazeres na Secretaria de Comércio Exterior e Jorge Viana na Apex

A confirmação foi feita pelas redes sociais de Alckmin na manhã deste sábado (31)

Brasília|Luiz Calcagno, do R7, em Brasília

Ex-senador Jorge Viana apareceu em delações da Odebrecht
Ex-senador Jorge Viana apareceu em delações da Odebrecht Ex-senador Jorge Viana apareceu em delações da Odebrecht

O vice-presidente da República eleito, Geraldo Alckmin (PSB) anunciou a diretora de Relações Internacionais da Fiesp, Tatiana Prazeres, na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). Anunciou, ainda, o ex-governador do Acre e ex-senador Jorge Viana (PT) para a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex).

O comunicado foi feito pelas redes sociais de Alckmin na manhã deste sábado (31), um dia antes da posse do vice e do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Alckmin será ministro de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços. 

Leia também

Tatiana Prazeres é doutora em relações internacionais e também é conselheira sênior do ex-diretor-geral da OMC, o diplomata brasileiro Roberto Azevêdo. Já Jorge Viana, além de ex-governador e ex-parlamentar, é professor de gestão pública.

“Agradeço a Tatiana e a Jorge Viana por aceitarem essa missão de alavancar as exportações do nosso país através de novos acordos comerciais e da atração de investimentos para gerar emprego e renda para quem mais precisa”, afirmou Alckmin no fim da postagem.

Publicidade

Viana foi citado em delações da Odebrecht por suspeita de não declarar cerca de R$ 2 milhões doados para a campanha que seriam provenientes de caixa 2 em 2010. À época, ele era senador. O processo também incluiu o irmão do parlamentar, Tião Viana (PT), que foi governador do Acre de 1º de janeiro de 2011 até 1º de janeiro de 2019.

Em agosto de 2018, porém, o Supremo Tribunal Federal (STF) retirou os irmãos petistas da lista dos investigados por suspeita de integrarem o escândalo de corrupção da Petrobras. Posteriormente, o inquérito contra a dupla no STF acabou arquivado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.