Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Bolsonaro vai a funeral de Estado da rainha Elizabeth 2ª, em Londres

Convite foi recebido pelo Itamaraty na noite de sábado (10); presidente confirmou a ida neste domingo (11)

Brasília|Emerson Fonseca Fraga, do R7, em Brasília

Presidente Jair Bolsonaro participa de manifestação no Rio de Janeiro
Presidente Jair Bolsonaro participa de manifestação no Rio de Janeiro Presidente Jair Bolsonaro participa de manifestação no Rio de Janeiro

O Ministério das Relações Exteriores confirmou a ida do presidente Jair Bolsonaro (PL) a Londres, em 19 de setembro, para acompanhar o funeral de Estado da rainha Elizabeth 2ª, que morreu na última quinta-feira (8), aos 96 anos de idade.

"O convite à cerimônia foi encaminhado, na noite do sábado (10), à Embaixada do Brasil em Londres. Consultado na manhã do domingo (11), o senhor presidente da República orientou o Itamaraty a responder positivamente ao convite", informou o órgão.

Em entrevista a um jornal do Distrito Federal na quinta-feira (8), Bolsonaro disse que ainda decidiria sobre a viagem. "De acordo com o protocolo [do funeral], a gente decide o que fazer. Estamos em campanha, andando pelo Brasil. Vamos analisar se é o caso ir ou não. Serão dois dias da nossa agenda", comentou Bolsonaro, durante entrevista a um jornal do Distrito Federal.

Ele informou que enviaria uma missão brasileira para representar o país se não conseguir ir pessoalmente. "Caso não seja possível, vamos mandar uma comitiva nossa para lá. A gente pede a Deus que acolha e conforte familiares. Nossas condolências a todo o povo, não só da Inglaterra como do Reino Unido."

Publicidade

Após a confirmação da morte de Elizabeth 2ª, Bolsonaro decretou luto oficial no Brasil de três dias. O ato foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União.

"É declarado luto oficial em todo o País, pelo período de três dias, contado da data de publicação deste Decreto, em sinal de pesar pelo falecimento da Sua Majestade a Rainha Elizabeth II, do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte", diz o decreto assinado pelo presidente.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.