Brasília Defesa emprega 150 militares em buscas por jornalista inglês e servidor da Funai na Amazônia

Defesa emprega 150 militares em buscas por jornalista inglês e servidor da Funai na Amazônia

Segundo o ministério, os militares são ‘especialistas em operações em ambiente de selva' e conhecem o terreno das buscas

  • Brasília | Alan Rios, do R7, em Brasília

O Ministério da Defesa informou que 150 militares atuam nas buscas pelo jornalista inglês e pelo servidor da Funai desaparecidos na Amazônia. Segundo a pasta, a equipe designada é composta de “especialistas em operações em ambiente de selva, que conhecem o terreno onde se desenvolvem as buscas”.

Anteriormente, a Polícia Federal havia enviado ao Amazonas uma aeronave com funcionários da corporação e integrantes do Exército. A operação ocorreu nesta terça-feira (7) com o auxílio também de um helicóptero, duas embarcações e uma moto aquática da Marinha, além de sete militares atuando com a utilização de uma lancha.

O indigenista e servidor da Funai Bruno Araújo Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips desapareceram no Vale do Javari, na Amazônia, na tarde do domingo (5). De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas, um suspeito e quatro testemunhas foram ouvidos, mas "ainda não há confirmação de pessoas presas por envolvimento no caso".

R7/Arte

Segundo a Univaja (União das Organizações Indígenas do Vale do Javari), os dois visitariam a equipe de vigilância indígena do lago do Jaburu na sexta-feira (3) e deveriam voltar a Atalaia do Norte no domingo pela manhã, o que não aconteceu. Bruno é indigenista especializado em povos indígenas isolados e conhecedor da região, onde foi coordenador por cinco anos. Segundo lideranças indígenas, ele estava recebendo ameaças durante a viagem.

O jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo

O jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo

Redes sociais/Reprodução

Últimas