Brasília Dias antes de cerimônia do 8/1, GDF suspende férias de secretário de Segurança e chefe da Casa Civil

Dias antes de cerimônia do 8/1, GDF suspende férias de secretário de Segurança e chefe da Casa Civil

Sandro Alencar e Gustavo Rocha vão poder remarcar as datas em outro momento; justificativa é a 'necessidade de serviço'

  • Brasília | Rafaela Soares, do R7, em Brasília

Despachos foram assinador por Celina Leão

Despachos foram assinador por Celina Leão

Renato Alves/Agência Brasília

A governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão (PP), suspendeu as férias do Chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha, e do secretário da Segurança Pública, Sandro Alencar. Os dois entrariam em recesso nesta terça-feira (2) e iriam retornar no final do mês. O ato ocorre dias antes da realização do evento que marca um ano dos ataques de 8 de Janeiro, quando extremistas invadiram e depredaram as sedes dos Poderes na Esplanada dos Ministérios.

Segundo os despachos, as suspensões aconteceram por "necessidade de serviço". Os textos foram publicados no Diário Oficial de sexta-feira (29). No caso de Alencar, as férias foram remarcadas para o mês de julho.  Já o chefe da Casa Civil poderá remarcar as datas de recesso.

A assessoria da Secretaria de Segurança Pública do DF explicou que a suspensão das férias foi um pedido do próprio titular da pasta para comparecer ao ato que relembra o atos de 8/1. 

Um ano do 8/1

É esperado que Alencar e Rocha participem do evento convocado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na segunda (8), o chefe do Executivo, e os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, vão participar de um ato em defesa da democracia, em Brasília.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Em 2022, extremistas invadiram e depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF). Por volta das 15h do dia 8, os participantes furaram o bloqueio de segurança e invadiram e destruíram dependências dos edifícios públicos.

Na semana passada, autoridades do Planalto, do Congresso e do Supremo se reuniram para discutir o esquema de segurança para o evento. Um plano de ação integrado deve ser apresentado nesta quinta-feira. Também participaram da reunião representantes da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), do GSI e da Secretaria Nacional de Segurança Pública, além de chefes de segurança do Senado, da Câmara e do STF.

Últimas